ASSINE

A esperança da família de capixaba com novas buscas em Brumadinho

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais anunciou a retomada das buscas nesta quarta-feira (12). Uberlândio Antônio da Silva é um dos onze desaparecidos na tragédia de 2019

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 13/05/2021 às 17h48
Uberlândio Antônio da Silva, de 54 anos, é uma das 20 vítimas que ainda não foram encontradas
Uberlândio Antônio da Silva, de 54 anos, é uma das 11 vítimas que ainda não foram encontradas. Crédito: Arquivo da família

As buscas pelos 11 desaparecidos na tragédia de Brumadinho, ocorrida em janeiro de 2019, foram retomadas pelo Corpo de Bombeiros de Minas Gerais nesta quarta-feira (12). Entre as famílias que ainda seguem em busca de notícias,  está a de Uberlândio Antônio da Silva, capixaba que prestava serviço para a Vale como mecânico de empilhadeira. Mais de dois anos após o rompimento da barragem pela qual a Vale era responsável, um sobrinho de Uberlândio conta que apesar da dificuldade, a família ainda tem esperança de dar um último adeus. Pelo menos 270 pessoas morreram por conta da tragédia.

Em contato com a reportagem de A Gazeta, Fernando Lima, sobrinho do capixaba, conta que não ficou sabendo sobre a retomada das buscas e disse imaginar que boa parte da família também não saiba. "É tudo com o seu tempo. O trabalho de buscas é um pouco mais difícil, porque às vezes o solo já está 'solado'", lamentou.

Brumadinho após o rompimento da barragem
Brumadinho após o rompimento da barragem. Crédito: Corpo de Bombeiros/Divulgação

O trabalho de buscas pelos desaparecidos começou logo após a tragédia. Com o passar do tempo, o número de pessoas desaparecidas foi caindo, já que vários corpos foram encontrados e sobreviventes conseguiram ser resgatados. Mas a família de Uberlândio não teve o mesmo retorno do Corpo de Bombeiros.

Fernando diz acreditar que não tem chances de Uberlândio ser encontrado com vida. Desde a noite do dia 24 de janeiro de 2019, quando o mecânico conversou por telefone com a esposa, Rosemar Pinheiro, a família não tem nenhuma informação sobre o paradeiro do trabalhador.

Fernando Lima

Sobrinho de Uberlândio

"Estamos esperançosos para achar os restos mortais. Fora isso, já vimos que não tem possiblidade (de ser encontrado com vida). Só se for um milagre de Cristo para ele (Uberlândio) aparecer vivo"

O anúncio da retomada das buscas foi feito pelo Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, após o Estado mineiro passar pela onda roxa – classificação de risco da Covid-19. Os trabalhos estavam suspensos desde o dia 17 de março devido às restrições adotadas pelo governo estadual. Segundo os Bombeiros, os trabalhos seguirão todos os protocolos sanitários definidos desde o ano passado.

Em nota, a Vale afirmou que apoia a retomada das buscas em Brumadinho feita pelo Corpo de Bombeiros de Minas Gerais. Informou ainda que a remoção dos rejeitos é uma "atividade fundamental" na procura pelos desaparecidos e para a recuperação ambiental da área impactada.

Buscas por desaparecidos continuam em Brumadinho
Buscas por desaparecidos em Brumadinho no ano de 2020. Crédito: Divulgação/TV Brasil

A tragédia ocorreu no dia 25 de janeiro de 2019. Fernando Lima conta que foi até as proximidades de Brumadinho, logo após o rompimento da Mina Córrego do Feijão, para ter alguma informação sobre o seu tio.

"No outro dia eu estava lá. Saí daqui de carro com a Rosemar (esposa de Uberlândio). Fui o único da família. Ficamos por lá durante uma semana, numa cidade próxima a Brumadinho que fica depois de Ouro Preto. Ficamos lá, pensando que logo teríamos notícias dele. Voltamos quando a empresa falou que não tinha mais o que fazer", relata. "A família ainda sente falta dele", complementou o sobrinho.

 Ainda de acordo com Fernando, a mãe de Uberlândio ainda não sabe que o filho está desaparecido há mais de dois anos. Ele conta que os familiares mais próximos optaram por não contar. "A mãe dele tem problema de Alzheimer e pressão alta, já não responde mais por ela. A família não falou para não deixá-la mais abalada", completou.

A viagem em busca de informações durou uma semana. A dor dos familiares, como a  esposa, moradora da Serra, já dura quase dois anos e quatro meses. Em entrevista à reportagem de A Gazeta em janeiro de 2020, exatamente um ano após o desaparecimento, Rosemar Pinheiro contou que, diariamente, acende uma vela às 18h e reza por Uberlândio.

Ela contou, em janeiro do ano passado, que os filhos fizeram tratamento psicológico por oito meses, mas que "ainda não se recuperaram".

Rosemar Pinheiro, esposa do Uberlândio Antônio da Silva, que desapareceu durante a tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais
Rosemar Pinheiro, esposa do Uberlândio Antônio da Silva, que desapareceu durante a tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais. Crédito: Siumara Gonçalves

Rosemar Pinheiro

Esposa de Uberlândio - entrevista em janeiro de 2020

"Eu só quero que achem o corpo do meu marido para que ele tenha um enterro. Se eles não me derem isso, vai ser a mesma coisa em janeiro do ano que vem: mais um ano que vou ter sem ele"

A reportagem de A Gazeta tentou contato com irmã, filhas e a então esposa de Uberlândio, mas as ligações não foram atendidas.

AJUDA FINANCEIRA

Durante a entrevista, ainda em 2020, Rosemar disse que não havia recebido qualquer ajuda financeira da Vale, além do salário do marido. Na época, a Vale informou que uma doação de R$ 100 mil havia sido destinada à filha menor de idade de Uberlândio Antônio, através da responsável legal.

O sobrinho lembrou que Rosemar não recebeu indenização da Vale, mas disse que outros familiares entraram na Justiça contra a empresa e tiveram êxito. "Irmãos todos por parte de mãe receberam indenização, os filhos também, todo mundo recebeu", diz.

QUEM AINDA NÃO FOI ENCONTRADO

  1. Angelita Cristiane Freitas de Assis; 
  2. Cristiane Antunes Campos; 
  3. Juliana Creizimar de Resende Silva; 
  4. Lecilda de Oliveira; 
  5. Luis Felipe Alves; 
  6. Maria de Lurdes da Costa Bueno; 
  7. Nathalia de Oliveira Porto Araujo; 
  8. Olimpio Gomes Pinto; 
  9. Renato Eustaquio de Sousa; 
  10. Tiago Tadeu Mendes da Silva; 
  11. Uberlândio Antonio da Silva.

A Vale informa que a lista é atualizada em prazo não superior a 24 horas. Porém, a última vez em que um nome foi retirado da lista, ou seja, uma pessoa que era considerada desaparecida foi encontrada, aconteceu em dezembro de 2019. Pelo menos 270 pessoas morreram na tragédia de Brumadinho.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.