ASSINE

90% das escolas particulares do ES retomaram as aulas hoje, diz sindicato

O vice-presidente do Sinepe-ES, Eduardo Costa Gomes, disse que escolas precisam ter sensibilidade para perceber as necessidades de cada jovem e trabalhar de perto para garantir o aprendizado

Vitória
Publicado em 01/02/2021 às 14h20
Atualizado em 01/02/2021 às 14h20
Segundo o Sinepe-ES, a maioria das instituições particulares no Estado está retomando as atividades presenciais, com responsabilidade e segurança
Uso de máscara e distanciamento entre mesas se tonaram regras nas escolas. Crédito: Freepik

Material escolar, máscara e álcool 70%. Esses são os itens que devem fazer parte da rotina estudantil em 90% das escolas da rede particular que voltaram às atividades nesta segunda-feira (01). 

A informação de retorno às atividades foi passada pelo vice-presidente do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Espírito Santo (Sinepe-ES), Eduardo Costa Gomes, durante entrevista concedida à rádio CBN Vitória nesta segunda-feira.

O superintendente do Sinepe-ES, Geraldo Diório Filho, informou via assessoria, que 330 escolas voltarão ao regime presencial até a próxima segunda-feira (08). O número não inclui as instituições de ensino superior do Estado.

Eduardo Costa Gomes

Vice-presidente do Sinepe-ES

"A dinâmica de volta (às aulas) exige um planejamento que é particular. Tem escola que esta semana está trabalhando formação de professor ou o retorno de algum segmento específico, às vezes, só a educação infantil ou só o fundamental. Mas eu entendo que a maioria está retornando com os alunos hoje. Mais de 90%, com certeza"

Eduardo explicou que as escolas particulares se organizaram no ano passado com base no protocolo de saúde determinado pelas Secretarias de Estado da Saúde e Educação, principalmente, no que se referia à limitação de ocupação do espaço em salas de aulas e outras questões ligadas à saúde da comunidade escolar.

"As restrições continuam iguais e, por isso, o trabalho se dá com a mesma dinâmica. A ocupação de sala com o máximo permitido. Excedendo esse número, a escola, necessariamente, vai ter que fazer um rodízio de frequência. E a gente ainda continua oferecendo o ensino remoto àqueles que não puderem voltar à condição presencial", destacou.

Questionado sobre a realização de testes para identificar se alunos, professores e funcionários estão infectados com o coronavírus, o vice-presidente disse que a discussão foi iniciada em outubro do ano passado. À época, houve entendimento que a testagem em massa se apresentou inviável devido aos custos do procedimento.

"Uma testagem teria de ser recorrente, uma vez apenas não faz sentido. O custo repassado às famílias seria altíssimo. O que a gente tem batalhado nos protocolos de saúde internos é que haja coerência na atitude de todos", orientou.

Para o Sinepe-ES, a triagem e a checagem diária da presença de sintomas são extremamente importantes. Em caso de suspeita de infecção na comunidade escolar, o aluno, professor ou funcionário é afastado imediatamente.

"Se houver qualquer suspeita, afasta-se imediatamente a frequência, migra-se para o (ensino) remoto e há um acompanhamento do caso. Essa suspensão é acompanhada por um prazo determinado, que seria, por exemplo, o da quarentena. Recomenda-se um teste nesse período para saber se antes do afastamento houve qualquer risco nessa frequência do espaço de escola", informou.

REPROVAÇÃO

O vice -presidente do Sinepe também comentou sobre a reprovação nas instituições particulares. Ele afirmou que, desde o ano passado (2020), não havia qualquer restrição neste sentido e acredita que algumas escolas possam ter usado a ferramenta, avaliada como ação pedagógica.

"Se a gente tem, daqui a poucos meses, a volta à normalidade, eu entendo que podemos ser mais rigorosos com as cobranças, inclusive com o volume do que está sendo exigido. Estamos em um momento delicado e a escola precisa terá de ter sensibilidade para avaliar isso", enfatizou.

CONTEÚDO ESCOLAR

Com a pandemia, as aulas presenciais foram suspensas em março do ano passado no Espírito Santo. O ensino foi retomado a partir de atividades remotas, quando o aluno estudava em casa, muitas vezes, com a ajuda dos familiares. Nessa modalidade, segundo explicou Eduardo, nem todos os conteúdos previstos no currículo de 2020 foram ministrados naquele ano.

"A orientação do Conselho Nacional de Educação era que a escola olhasse para o currículo para que o essencial fosse garantido. A essência de trabalho de escola em 2021 é começar o ano com conteúdos, questões ordinárias, entendendo e identificando, nos alunos que estão naquela turma determinada, quais são as deficiências a e lacunas deixadas. A escola precisa ter sensibilidade para perceber as necessidades de cada jovem e trabalhar de perto para garantir o aprendizado. É um processo que vai demorar", avaliou.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.