ASSINE

Cariê: o homem de palavras fortes em frases que marcaram sua trajetória

Conhecido por sua inteligência, senso crítico e seu amor às artes, Carlos Lindenberg Filho, o Cariê, morreu nesta terça-feira (6)

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 07/04/2021 às 02h00
Atualizado em 07/04/2021 às 02h02
Cariê, Carlos Lindenberg Filho, presidente do conselho administrativo da Rede Gazeta - 25/08/2008
Cariê, Carlos Lindenberg Filho, presidente do conselho administrativo da Rede Gazeta - 25/08/2008. Crédito: Edson Chagas

Conhecido por sua inteligência, senso crítico e por seu amor às artes, especialmente a música e a literatura, Carlos Lindenberg  Filho, o Cariê, sempre mostrou franqueza, humanidade e paixão em cada entrevista concedida, livro escrito ou crônica publicada. Atributos de quem, com a sabedoria do passar dos anos, descobriu que a simplicidade é a melhor forma de viver a vida.

Morto nesta terça-feira (6), aos 85 anos, por conta de problemas relacionados a uma pneumonia, o presidente do Conselho de Administração da Rede Gazeta nos deixou algumas frases de impacto, sejam relacionados à política, à cultura ou mesmo ao jornalismo, sua grande paixão. 

Cariê Lindenberg 

falando sobre o seu "caso de amor" com o jornalismo, em entrevista publicada por A Gazeta, em 06/09/2008

"Fui e sou muito feliz. É impressionante como a minha personalidade se adapta e se fascina com o espírito jornalístico. Acho que a vida foi muito generosa comigo"

Boêmio e apaixonado pela música, Cariê falou sobre o seu "caso de amor" com a Bossa Nova na crônica "Ou Para Desmistificar", publicada no livro "Vitória de Todos os Ritmos" (2000), que reúne textos de diversos artistas e pensadores sobre a música e a Capital capixaba.

"Talvez o fato de ter participado ativamente como ouvinte assíduo e atento observador do movimento da Bossa Nova, e me tornado conhecido de seus papas e papisas, tenha também concorrido para essa história", ressaltou, com a intimidade que lhe era permitida.

No mesmo texto, o escritor, sempre usando de muita franqueza (uma de suas características mais marcantes), expressou uma polêmica opinião sobre "uns certos rapazes" de Liverpool.

Cariê Lindenberg

falando sobre os Beatles no livro "Vitória de Todos os Ritmos", publicado em 2000

"Apesar de originais, nem os mundialmente famosos e aplaudidos Beatles eu conseguia gostar e ouvir. Enquanto todos os adoravam, eu achava aquela música, embora singela e inovadora, chatíssima"

CRÍTICO

Carlos Fernando Monteiro Lindenberg Filho era autor de obras que versavam sobre o cotidiano. Sua literatura expressava alguns sentimentos muito particulares. Demonstrou, por exemplo, todo o amor pelo Rio de Janeiro - onde tinha uma relação íntima com vários artistas -, em obras como "Memórias Cariocas ou Outras Memórias".

O lado crítico, que revelava um arguto observador da sociedade (e da democracia) brasileira, também foi um dos traços marcantes de sua personalidade. Na crônica "Liberdade, Imprensa e Censura", publicada no livro "Eu e a Sorte" (2001), Cariê traçou um painel reflexivo sobre o "poder" do jornalismo como instrumento social. 

Cariê Lindenberg

na crônica "Liberdade, Imprensa e Censura", publicada no livro "Eu e a Sorte" (2001)

"Precisamos pensar, refletir e concluir: não só as notícias ruins devem merecer destaque. Merece também atenção e investigação tudo que fuja à normalidade para melhor ou para pior"
Cariê Lindenberg
Cariê Lindenberg. Crédito: Guinaldo Nicolaevisky

Na mesma obra, também expressou preocupação sobre a ética da profissão. 

Cariê Lindenberg

na crônica "Liberdade, Imprensa e Censura", publicada no livro "Eu e a Sorte" (2001)

"Nunca é demais insistir que jornalistas, seus diretores e proprietários de empresas de comunicação não são donos da notícia. Eles apenas divulgam os fatos que a sociedade produz, em homenagem a um dever social que a própria sociedade impõe"

OPINIÃO

O presidente do Conselho de Administração da Rede Gazeta também ficou conhecido por textos analíticos - principalmente sobre as áreas de política e de economia - escritos para a coluna "Opinão", publicadas pelo jornal "A Gazeta".  

Cariê Lindenberg

sobre o legado do jornal A Gazeta, em entrevista publicada em 11/09/2018

"O intuito de ter independência total, de ter equilíbrio, de ser plausível com a comunidade e com os denunciados também, dando a estes a chance de darem a sua versão às coisas que forem levantadas contra eles... Isso é imprescindível a um jornal"

Na crônica "Não se pode Praticar o Mal, sem Fazer o Bem", publicada em 23 de outubro de 2015, época em que o Brasil se preparava para o processo de impeachment de Dilma Rousseff, Cariê expressava sua preocupação com a falta de novas lideranças políticas no país. 

"O Brasil ainda não conseguiu estimular e criar lideranças de peso, tipo candidatos a futuros estadistas parar enovar os raros existentes já com validade vencida." 

Sobre a (sempre) frágil democracia tupiniquim, o autor escreveu a crônica "Restabelecer Limites da Democracia Brasileira", publicada em A Gazeta, em 9 de junho de 2014.

Cariê Lindenberg

na crônica "Restabelecer Limites da Democracia Brasileira", de 2014

"É de se lamentar o equívoco de imaginar que é só assim que podemos construir uma democracia. Em seu nome, entendo que, com frequência, temos zelado excessivamente pelo direito de uns, não raramente atravancando o de muitos outros"
O empresário, escritor e músico Carlos Fernando Monteiro Lindenberg Filho, o Cariê
O empresário, escritor e músico Carlos Fernando Monteiro Lindenberg Filho, o Cariê. Crédito: Guilherme Ferrari - GZ

Com "Quem nasceu primeiro?", crônica publicada em A Gazeta, em 19 de novembro de 2014, Carlos trazia um texto que evocava questões éticas e morais relacionadas à propina. Em foco, os escândalos da Petrobrás na década passada, fatos que levaram à construção da operação Laja Jato. 

"Tenho convicção de que não devo mais arriscar qualquer opinião que possa comprometer o meu passado. Contudo, estou certo de que posso reivindicar, plenamente, o consagrado direito de levantar a dúvida", dizia, ao questionar quem iniciou a prática corrente da propina: o corruptor ou o corrupto?

CENSURA

Cariê também fez questão de escrever (várias vezes) sobre como a ditadura militar influenciou no processo de construção da notícia no país. "Tinha o quadro cheio das censuras que nos mandavam. Então, o pessoal ia lá olhar o que estava censurado. E assim ficou claro para todo mundo que nós estávamos sendo censurados. Até o dom Hélder Câmara entrou na parte dos censurados", confessou, em entrevista publicada para o jornal A Gazeta, em 01 de setembro de 2013. 

Cariê Lindenberg

sobre a ética e a independência política de A Gazeta, em entrevista publicada pelo periódico em 11/9/2018

"A autocensura é um negócio até pior do que a censura. Porque a censura é algo explícito, você sabe o que pode e o que não pode fazer. A autocensura é indelével, fica a vida toda"

PAIXÃO ETERNA

Cariê, Carlos Lindenberg Filho, presidente do conselho administrativo da Rede Gazeta - 25/08/2008
Cariê, Carlos Lindenberg Filho, presidente do conselho administrativo da Rede Gazeta - 25/08/2008. Crédito: Edson Chagas

Viciado (no bom sentido, é claro!) pela profissão de jornalista, Carlos sempre entendeu as mudanças necessárias no processo de transformação da notícia. Ao ser questionado sobre  o poder da internet e das redes sociais disseminados na sociedade, em entrevista publicada em A Gazeta, em 9 de setembro de 2016, foi objetivo: "Contra a inteligência e contra a modernidade da ciência, é impossível você lutar", enfatizou. 

Sobre deixar um legado em relação à profissão de jornalista, em entrevista publicada em "A Gazeta", em 9 de setembro de 2016, Cariê, como sempre, foi discreto.

Cariê Lindenberg

em entrevista ao jornal A Gazeta, em 2016

"Não tenho legado nenhum, o que tenho é uma sensação muito clara e muito simples que as coisas todas que eu fiz vão dando certo"

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.