ASSINE

Reforma da Previdência em números: os impactos no Espírito Santo

Economia de R$ 6,47 bilhões em 10 anos dá alívio, mas na avaliação de especialistas e do próprio governo do Estado, mesmo expressivos, os números ainda são pequenos perto do tamanho do rombo existente na Previdência do setor público estadual

Publicado em 26/04/2019 às 00h34
Atualizado em 31/12/2019 às 09h45
  . Crédito: Divulgação/IPAJM
. Crédito: Divulgação/IPAJM

As mudanças nas aposentadorias dos servidores públicos civis e militares, previstas no texto atual da reforma da Previdência, devem proporcionar ao governo do Espírito Santo uma economia de R$ 6,47 bilhões ao longo de 10 anos. O impacto local foi um dos dados abertos pelo governo federal ontem sobre a Proposta de Emenda Constitucional (PEC), após pressão de parlamentares.

Cálculos da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, apontam que desse total, a maior parte - R$ 5,63 bilhões - correspondem ao que o Estado deixará de gastar com pagamentos de aposentadorias, pensões e demais benefícios dos servidores estaduais civis.

Os números, na avaliação de especialistas e do próprio governo do Estado, são expressivos, porém ainda são pequenos perto do tamanho do rombo existente na Previdência do setor público estadual hoje. Em 2018, o Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado (IPAJM) fechou o ano com um déficit de R$ 2,15 bilhões, valor que deve continuar crescente até 2030.

Para se ter uma ideia, a economia em 10 anos bancaria apenas três anos de aportes no IPAJM se os valores necessários continuassem no patamar atual. Já a economia nos quatro primeiros anos, de R$ 1,65 bilhão, não bancaria nem mesmo um ano de rombo.

Apesar de insuficiente para resolver o problema previdenciário, a reforma traria um gás para o Estado, já que a economia anual estimada na década é de, em média, R$ 647 milhões, ou seja cerca de 30% do déficit. Esse dinheiro, que sai do caixa do Tesouro estadual para ajudar a custear os benefícios, poderá ser empregado em outras áreas, como na realização de investimentos.

MUDANÇAS

Essa economia que será proporcionada ao Estado se dará principalmente por causa de mudanças como o aumento da idade mínima , que fará os servidores contribuírem por mais tempo antes de se aposentarem. No serviço público, homens precisarão ter 65 anos para passarem para a inatividade. Já as mulheres, 62 anos, assim como na iniciativa privada.

Outro fator que pesa nessa conta é a elevação automática da alíquota de contribuição dos servidores civis, que pelo texto, deverá ser elevada de 11% para 14% caso o regime previdenciário apresente déficit, o que é o caso do Estado. Haverão ainda alíquotas progressivas, que podem chegar até 22% de acordo com a faixa de renda do servidor, com descontos maiores para quem ganha mais.

Muda também a forma como será calculada o benefício dos servidores. Aprovado o texto atual, valerá a média de todas as contribuições realizadas pelos segurados ao longo da vida, não apenas os maiores salários de contribuição como é atualmente.

Para o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, a aprovação da reforma vai contribuir para equilibrar as contas dos Estados. “O modelo em que estamos ruiu. Estados e municípios têm dificuldades de prover necessidades básicas da população, de educação, de segurança, de infraestrutura. O orçamento é gasto com o pagamento de salários, aposentadorias e benefícios”, afirmou.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.