> >
Distribuidoras de combustíveis alertam para risco de desabastecimento

Distribuidoras de combustíveis alertam para risco de desabastecimento

Caminhoneiros bloqueiam rodovias no país em protesto contra o resultado das eleições para a Presidência da República

Publicado em 2 de novembro de 2022 às 18:50- Atualizado há um ano

Ícone - Tempo de Leitura 2min de leitura
Postos de gasolina
Posto de gasolina em Vitória. (Carlos Alberto Silva)

A Federação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Biocombustíveis e Gás Natural (Brasilcom) recomendou nesta quarta-feira (2) o desbloqueio de rodovias no país, sob o risco de desabastecimento de combustíveis. O alerta é emitido após protestos de bolsonaristas contra o resultado das eleições para a Presidência da República.

"A Brasilcom recomenda ações coordenadas das autoridades responsáveis, para o urgente desbloqueio das estradas e, onde necessário, proteger e acompanhar o deslocamento do transporte de combustíveis, visando assegurar o abastecimento de postos revendedores, supermercados e de hospitais, principais prejudicados pelas interrupções de fornecimento", disse a federação, em nota.

Segundo a federação, as distribuidoras têm repassado informações em tempo real sobre os bloqueios para as autoridades. De acordo com último levantamento da Polícia Rodoviária Federal (PRF), há 16 estados com rodovias interditadas no início da noite desta quarta-feira.

Na comparação com o período da manhã, houve piora em Goiás, que passou de duas para três interdições, e no Amazonas, que tinha três pontos e agora têm quatro.  No Espírito Santo há três pontos de bloqueios parciais.

No Maranhão, que apresentava um ponto com fluxo parcialmente impedido, agora tem bloqueio total da via; Mato Grosso (31 pontos de interdição. Antes, eram 30); Rondônia (tinha 11 interdições e agora tem 12); e Rio Grande do Sul, que registra três pontos com bloqueio total da pista, além de uma interdição.

As manifestações começaram na última segunda-feira (31). Desde então, os caminhoneiros bolsonaristas protestam contra a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições 2022 para a Presidência da República.

Este vídeo pode te interessar

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

Tags:

A Gazeta integra o

The Trust Project
Saiba mais