ASSINE

Coronavírus deve impactar exportações em até R$ 18,6 bi, diz CNI

Relatório da Confederação Nacional da Indústria estima essa queda nas exportações brasileiras, caso seja confirmada a retração de 1,1% no PIB mundial

Publicado em 02/04/2020 às 15h13
Atualizado em 02/04/2020 às 15h17

O impacto econômico do novo coronavírus pode atingir as exportações brasileiras fortemente, segundo relatório da Confederação Nacional da Indústria (CNI ). A queda, segundo a entidade, pode ser de até R$ 18,6 bilhões caso seja confirmada a retração de 1,1% no Produto Interno Bruto (PIB) mundial.

Data: 05/03/2020 - Atividade portuária, transporte de contêineres, exportação e importação
 Atividade portuária, transporte de contêineres, exportação e importação. Crédito: Pixabay

A avaliação foi feita com base em estudos que mostram que a diminuição de renda no mundo levaria à redução de produtos nacionais, diz o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi. A entidade também estima que uma recessão global levaria a uma redução de 56 milhões de toneladas em cargas brasileiras indo para o exterior.

Em comparação ao ano passado, a CNI projeta que as exportações brasileiras podem ter queda de 11% na quantidade de toneladas a depender das medidas contra a Covid-19 adotadas por outros países latino-americanos, grande destino dos manufaturados nacionais.

Segundo Carlos Abijaodi, o câmbio desvalorizado é um elemento temporário de melhora da competitividade. Para o diretor, pode ser um meio de as exportadoras contornarem o momento, principalmente pequenas empresas de bebidas e alimentos, além daquelas de calçados e vestuário, setores com cadeias de produção mais longas.

As medidas para retardar o avanço do novo coronavírus têm impactado a logística de mercadorias. Um estudo da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC), que reúne transportadoras rodoviárias, aponta que a demanda por transporte de cargas caiu 26,14% nos dias 23 e 24 de março, em comparação com a operação normal.

Segmentos de cabotagem e ferroviário também têm percebido queda na demanda, segundo executivos, mas ainda não há números para dimensionar o cenário. O setor ressalta que ainda não há problemas de abastecimento.

A maior queda se deu no transporte de produtos industriais: as embalagens caíram 55,3%, os eletrônicos, 46,5% e automóveis, 37,6%. Com relação a cargas fracionadas, houve redução de 40,7% nas entregas em lojas e 29,% nas entregas em residências.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.