ASSINE

Greve dos caminhoneiros: rodovias federais têm fluxo livre em todo o país

Informação é da PRF e do Ministério da Infraestrutura. Há protestos pontuais. Lideranças dos caminhoneiros autônomos e transportadores de cargas convocaram motoristas para uma paralisação a partir desta segunda (1°), mas a categoria está dividida

Publicado em 01/02/2021 às 08h26
Atualizado em 01/02/2021 às 17h19
PRF monitora tráfego na BR 101, no Espírito Santo, que segue livre
PRF monitora tráfego na BR 101, no Espírito Santo, que segue livre. Crédito: PRF/Divulgação

Atualização

1 de Fevereiro de 2021 às 12:34

A reportagem vem sendo atualizada de acordo com as novas informações de protestos pontuais realizados por caminhoneiros nesta segunda-feira. 

Ministério da Infraestrutura e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informaram que, até o fim da tarde desta segunda-feira (1º), todas as rodovias federais, concedidas ou sob gestão do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), encontravam-se com fluxo livre de veículos, não havendo nenhum ponto de retenção total ou parcial.

Lideranças dos caminhoneiros autônomos, transportadores de cargas, convocaram motoristas para uma paralisação a partir desta segunda. No entanto, há uma divisão entre as entidades que representam o setor e a maioria delas descarta participar de qualquer movimento grevista neste momento.

No Espírito Santo, a PRF não há nenhum movimento de paralisação ou protesto de caminhoneiros e que monitora a situação nas rodovias federais que cortam o Estado.

Entre outras reivindicações, os caminhoneiros querem redução de cobrança de PIS/Cofins sobre o óleo diesel, o aumento e cumprimento da tabela do piso mínimo do frete, estabelecido em 2018 após a paralisação de 11 dias, modificação da redação do projeto 4199/2020, o BR do Mar, sobre cabotagem, aposentadoria especial para o setor, um marco regulatório do transporte, entre outros pedidos.

MANIFESTAÇÕES PONTUAIS

Apesar da informação da PRF, concessionárias de estradas registraram manifestações pontuais. Em São Paulo, caminhoneiros interromperam o fluxo de duas faixas da Rodovia Castello Branco (SP-280), na altura de Barueri, onde fazem uma caminhada contra o governador João Doria. O protesto no local foi organizado por autônomos. A reivindicação, porém, diferencia das que foram apresentadas pelas entidades que organizam a greve, que tem como principal bandeira a alta do preço de combustíveis.

Em Votorantim (SP), caminhoneiros bloqueavam parcialmente a rodovia Antonio Raimundo Soares (SP-79) e obrigavam os motoristas de caminhões e carretas a parar o veículo no pátio de um posto de combustível localizado no km 100. Desde a madrugada até as 9 horas, mais de 300 veículos tinham sido abordados. A passagem estava liberada para carros, ônibus, ambulâncias e veículos que transportavam combustível, perecíveis e produtos hospitalares.

Em Goiás, na BR 060, na altura de Guapó, manifestantes atearam fogo em pneus na tentativa de bloquear totalmente a pista. Equipes da PRF e do Corpo de Bombeiros atuaram e já removeram as barreiras e liberaram o tráfego.

No Rio Grande do Norte, na altura de Mossoró, foi feito um bloqueio parcial de caminhoneiros na BR 304, que colocaram pneus na rodovia. A ação se desenvolveu de forma pacífica e a PRF já desobstruiu a pista.

Na Bahia, na BR 116, altura dos kms 522 e 528, na região de Itatim, houve uma tentativa de bloqueio parcial rodovia entre 13h e 15h. Manifestantes atearam fogo em pneus e abandonaram o local. PRF já faz o trabalho de remoção do material e a via está liberada.

Durante a madrugada, por volta da 1h, houve interdições na região de Vitória da Conquista, altura do km 814. Mas, segundo a Via Bahia, a situação já foi normalizada.

MINISTRO DISSE QUE NÃO PODE ATENDER PEDIDOS

Neste domingo (31), um áudio de uma conversa entre o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e uma liderança local de caminhoneiros, circulou em grupos de Whatsapp, no qual o ministro afirma não ter possibilidade de atender alguns dos principais pedidos do segmento.

Tarcísio de Freitas confirmou ao Estadão a autenticidade do áudio e confirmou que a conversa ocorreu no sábado (30), mas disse que se tratava, apenas, de esclarecer o papel do governo em cada demanda, o que é possível fazer e o que não é.

O Ministério da Infraestrutura informa, ainda, que boletins sobre o fluxo de veículos serão atualizados periodicamente e "estão baseados em informações do centro de controle da Polícia Rodoviária Federal".

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.