ASSINE

Bolsonaro: Caixa era uma "arca de Noé"; cada diretoria tinha um partido

Em cerimônia, presidente disse que do jeito que o banco era  loteado "não podia dar certo, não podia dar lucro, não podia ter planos"

Publicado em 20/02/2020 às 16h23
Agência da Caixa Econômico Federal. Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Agência da Caixa Econômico Federal. Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), criticou as antigas gestões da Caixa Econômica Federal durante o lançamento da nova linha de crédito imobiliário com taxa fixa, no Palácio do Planalto.

"(A Caixa) era uma verdadeira arca de Noé onde cada diretoria, cada vice-presidência tinha um partido pendurado ali. Não podia dar certo. Não podia dar lucro, não podia ter planos. O presidente, na verdade, eu posso falar, já que o Paulo (Guedes, ministro da Economia) não falou e a imprensa me adora, era uma rainha da Inglaterra", disse o presidente da República.

Bolsonaro falou que o seu governo tem restabelecido a confiança dos brasileiros na política. E voltou a criticar a imprensa.

"Esse plano (de crédito imobiliário) mesmo é fruto do restabelecimento da confiança no governo, que não tinha. Um governo que, para parte da população, para quase toda a imprensa chegou a desacreditar. Para a imprensa seria bom os que sempre estiveram lá", disse Bolsonaro.

Ele afirmou, ainda, que a imprensa deveria ter um carimbo na testa com a frase: "a verdade acima de tudo". "A imprensa deveria deixar de se comportar como um partido político de extrema esquerda", comentou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.