ASSINE
Foi secretário estadual de segurança pública e comandante geral da polícia militar. É especialista em Segurança Pública pela UFES. Neste espaço, produz reflexões sobre políticas públicas para garantir a segurança da população

Instituição mais antiga do ES, Polícia Militar chega aos 186 anos

PMES faz 186 anos no próximo 6 de abril, com uma trajetória consolidada por sua essência

Publicado em 29/03/2021 às 02h00
Atualizado em 29/03/2021 às 02h02
Quartel da Policia Militar do ES
PMES nasceu em 6 de abril de 1835. Crédito: Carlos Alberto Silva

Há 186 anos o Brasil ainda era um império e, nessa época, exatamente em 6 de abril de 1835, nascia a Polícia Militar do Espírito Santo. Machado de Assis, de forma perspicaz, reconhecia: “a polícia é uma instituição necessária à ordem e à vida de uma cidade” e para isso nasceu a mais antiga instituição do Espírito Santo.

Em seus 186 anos, completados no próximo dia 6, esteve presente e atuante em diversos momentos históricos do Estado e do Brasil. Das revoltas imperiais às chuvas de 2013. Poucas instituições têm mostrado ao longo de tanto tempo resistência e capacidade para se reinventar, sempre buscando aprimorar suas ações para cumprir a missão de garantir a ordem pública, de promover a paz social, de proteger e socorrer o povo capixaba.

Em tempos cada vez mais difíceis, os soldados da “terra de Ortiz”, uma alusão à heroína capixaba Maria Ortiz, demonstram a capacidade de, mesmo nos momentos de grave crise, buscarem e somarem forças para manter a tranquilidade. A PMES tem a capacidade de entender as lições do passado e reconhecer a fundamental necessidade de continuar contribuindo para um futuro de paz e justiça.

A grande responsabilidade de todos que integram hoje as fileiras da instituição, presente nas 78 cidades capixabas, é tratar bem de sua história, honrar as dezenas de gerações que por ela já passaram e por ela deixaram seu suor, seu sangue e até mesmo sua vida, sempre tendo como essência os seus princípios e valores. O alcance dos anseios da família capixaba depende de bons soldados, da certeza de que a PM existe pelas mãos do povo e graças ao trabalho do povo.

O papa Francisco recentemente disse que o mundo tem necessidade de homens e mulheres que não estejam fechados, mas repletos do Espírito Santo, e explicou que estar fechado é estar preso ao egoísmo do próprio benefício, do interesse pessoal, da omissão. O Papa ainda destacou que o mundo necessita de paz, coragem, amor, esperança e perseverança.

Nesses quase 200 anos, a PMES, através dos homens e mulheres que ombrearam e ombreiam em suas fileiras, luta com coragem, perseverança e amor, todos os dias da semana, 24 horas por dia, sem cessar, para garantir segurança e paz.

A PM tem uma consolidação tão enraizada, que sobrevive às investidas do mal, daqueles que em algum momento tenham a intenção de usá-la indevidamente em benefício próprio. A história sempre nos mostra que o caminho trilhado pela maioria absoluta dos nossos valorosos policiais sempre foi o do comprometimento com os capixabas. A história nos mostra que devemos preservar a nossa essência, aquilo que de verdade nos “sustentou” até hoje e nos faz forte: nossas tradições, princípios e valores.

Do alto comando da PM ao aluno soldado cabe atuar com diligência, como guardião e difusor dos valores institucionais, pela força do próprio exemplo. Cabe também estar sempre buscando a evolução e a valorização, mas com a clareza de que os reais interesses da PM e a responsabilidade devem iluminar o caminho.

Como bem delineado pelo filósofo irlandês Edmund Burke, “a única coisa necessária para o triunfo do mal é que os homens bons não façam nada.” A PM capixaba é orgulho para o nosso Estado, acolhe os filhos do Espírito Santo em seus seguros quadros, forjando-os para o combate, espalhando para cada canto mulheres e homens do bem, prontos para não deixarem o mal triunfar.

É por tudo isto que a Polícia Militar do Espírito Santo é patrimônio do povo capixaba, que deseja uma instituição que trilhe o caminho da valorização do trabalho e da meritocracia das pessoas, em consonância com a força e a pujança do Espírito Santo. Obrigado e parabéns, PMES! Que venha o bicentenário alicerçado por suas tradições e valores: disciplina, ética, hierarquia, interesse público, legalidade e promoção dos direitos humanos.

*Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.