ASSINE
Este é um espaço para falar de Política: notícias, opiniões, bastidores, principalmente do que ocorre no Espírito Santo. A colunista ingressou na Rede Gazeta em 2006, atuou na Rádio CBN Vitória/Gazeta Online e migrou para a editoria de Política de A Gazeta em 2012, em que trabalhou como repórter e editora-adjunta

Arthur Lira pede a Casagrande para PP ser vice ou disputar o Senado, mas tarefa é árdua

O nome o partido já tem: o deputado federal Da Vitória. Leque de alianças do governador, no entanto, é amplo e ele vai ter que se equilibrar entre diversos aliados

Vitória
Publicado em 11/03/2022 às 16h47
Da Vitória, Arthur Lira e Marcus Vicente em evento de filiação de Da Vitória ao PP
Da Vitória, Arthur Lira e Marcus Vicente em evento de filiação de Da Vitória ao PP. Crédito: Divulgação

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), pediu ao governador Renato Casagrande (PSB) espaço para o PP na formação da chapa majoritária, ou seja, vaga de vice ou de candidato ao Senado, com preferência para esta última.

Lira garantiu que o PP vai compor a coligação de Casagrande, o partido faz parte da base aliada. Mas quer mais.

Inicialmente, em discurso, o presidente da Câmara chegou a dizer que cobrou de Casagrande a vaga para o PP. Mas depois, em entrevista, amainou o tom, retirou a palavra "cobrei". "Não posso cobrar nada", emendou.

O deputado federal Da Vitória, outro aliado de Casagrande, saiu do Cidadania e filiou-se nesta sexta-feira (11) ao PP. Lira veio ao Espírito Santo para prestigiá-lo.

É o próprio Da Vitória o nome que disputaria o Senado se os apelos do partido forem ouvidos.

O PP é um partido do Centrão, que apoia Jair Bolsonaro (PL), mas libera os diretórios estaduais para se posicionar sem amarras ideológicas.

No estado, o PP integra o governo Casagrande. O presidente estadual do partido, Marcus Vicente, é secretário de Saneamento e Habitação.

Vicente diz que a questão da vaga na chapa de Casagrande vai ser discutida mais à frente, mas reiterou que, de qualquer forma, o PP vai integrar a coligação do socialista.

O leque de alianças de Casagrande é amplo e o governador quer expandi-lo. Tem o PP, que apoia Bolsonaro, o Podemos, de Sergio Moro e ainda quer o PT, de Lula.

Convergir todas essas forças sob o mesmo guarda-chuva vai ser tarefa árdua. Não apenas pelos choques em relação ao palanque para a Presidência da República, mas por questões pragmáticas.

Não somente o PP quer um lugar ao sol. O Podemos também gostaria de lançar candidato ao Senado. E a senadora Rose de Freitas (MDB) quer o apoio do governador para se reeleger.

Enquanto isso, outras peças se movimentam no tabuleiro. Além de Da Vitória, o PP também filiou dois deputados estaduais, Marcos Madureira e Raquel Lessa, nesta sexta. Os dois são da base de Casagrande na Assembleia Legislativa.

O PP ambiciosa ser o maior partido do Espírito Santo, como repetido pelas lideranças da sigla que se reuniram no Centro de Convenções de Vitória nesta sexta.

Além de Arthur Lira, compareceram o presidente nacional em exercício do PP, Cláudio Cajado, e o líder do partido na Câmara, André Fufuca.

Com a chegada de Da Vitória, o partido passa a ter dois deputados federais no estado. O outro é Evair de Melo, um dos vice-líderes de Bolsonaro e que destoa por fazer críticas ao governo Casagrande. Como o evento desta sexta denotou, ele é minoria isolada neste quesito.

A cúpula do PP almoçou com Casagrande no Palácio Anchieta. Antes, em uma audiência pública realizada também no Centro de Convenções com participação de Arthur Lira, o governador compôs a mesa e discursou. Foi chamado de "nosso governador Casagrande" pelo presidente da Câmara, houve troca de afagos.

"O PP será um grande partido no estado e um grande partido pensa sempre em ocupar espaço na majoritária, mas isso não é momento agora. No momento adequado essas conversas serão feitas para compor a chapa com o governador Casagrande", afirmou Lira, em entrevista após o evento de filiação de Da Vitória.

Já o recém-filiado avalia que o partido poderia até ter candidato a governador.

"Que nós possamos defender que o Progressistas possa ter espaço na majoritária porque é um partido muito grande, tem condições até de ter candidatura ao governo do estado, mas hoje estamos alinhados com o governador Renato Casagrande. Nada mais justo que a gente discutir esse tema".

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.