ASSINE

Novo ciclone subtropical pode se formar e causar chuvas fortes no ES

A previsão do Climatempo indica que até o domingo (25) os acumulados de chuva chegarão aos 100 milímetros em algumas cidades do Espírito Santo, o que poderá acarretar em alagamentos e inundações

Publicado em 21/10/2020 às 17h11
Atualizado em 21/10/2020 às 21h14
Ciclone subtropical Mani pode se formar e causar chuvas fortes no ES
Ciclone subtropical Mani pode se formar e causar chuvas fortes no ES. Crédito: Windy

Instituto Climatempo já havia previsto que o restante de outubro deveria ser de muita chuva em todo o Sudeste do Brasil. Por conta da adversidade, junto com a formação de ventos fortes no Norte do Rio de Janeiro até o Sul da Bahia, passando por Minas Gerais e pelo Espírito Santo, existe a formação de um sistema de baixa pressão atmosférica na costa capixaba que poderá dar origem a um novo ciclone subtropical, causando chuvas fortes no Estado. Se o ciclone se formar, esse será o décimo sistema catalogado pela Marinha do Brasil, e deve ter o nome de Mani.

A previsão do Climatempo indica que até o domingo (25) os acumulados de chuva chegarão aos 100 milímetros em algumas cidades, o que poderá acarretar em alagamentos e inundações. A pior condição do tempo está prevista para o litoral do Espírito Santo que deve ter, além do maior volume de chuva, as maiores rajadas de vento — alcançando 80 quilômetros por hora.

ENTENDA A MEDIÇÃO

A medida usada para medir o volume da chuva é em milímetros por metro quadrado. É só imaginar um quadrado de um metro por um metro com um litro de água dentro. O líquido vai subir até a marca de 1mm. Claramente falando, um milímetro de chuva equivale a um litro de água por metro quadrado. Por exemplo: se choveu 50mm, seriam 50 litros de água em cada metro quadrado.

O período da chuva também é importante. Chover 50 litros de água durante um dia inteiro pode ter um impacto menor do que chover a mesma quantidade de uma vez só, somente em uma hora. E como podemos medir a chuva em uma cidade grande? Equipamentos chamados de pluviômetros, que estão espalhados por vários pontos da cidade, vão indicar o quanto choveu — e, só então, esses dados vão permitir as comparações das quantidades de chuva por dia, mês e ano.

RESSACA NO MAR

O Climatempo esclarece que, por conta da pista de ventos formada, há previsão para ressaca. A partir de segunda-feira (26) a costa fluminense e capixaba podem ter ondas de 2,5 metros. Na terça-feira (27) o mar deve subir mais com ondas de 3 metros de altura.

Um ciclone subtropical é um sistema híbrido, ou seja, ele não é nem um ciclone extratropical e nem um furacão, ele é realmente o meio termo. O instituto explica que precisa de uma frente fria para se formar, mas também não tem um centro de baixa pressão tão intenso quanto de um ciclone tropical.

OUTUBRO DE CHUVA

Ainda segundo o Instituto Climatempo, no decorrer desta segunda quinzena de outubro de 2020 a combinação da circulação dos ventos em diversos níveis da atmosfera, com a presença de ar úmido e quente vai estimular a formação de muitas áreas de instabilidade sobre a Região Sudeste, com potencial para grandes volumes de chuva acumulados.

Segundo os prognósticos, a última semana do mês será de muita chuva. A indicação é de elevados volumes entre os dias 26 e 30 de outubro. A chegada de uma frente fria por volta do dia 25 deste mês e a formação de uma grande área de baixa pressão, com as condições de vento favoráveis na média e alta atmosfera serão os responsáveis pelo elevado volume de chuva.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.