ASSINE

Senadora Eliziane Gama será relatora da indicação de André Mendonça ao STF

Eliziane, que também é evangélica, já elogiou Mendonça e era parte do grupo no Senado que vinha cobrando Alcolumbre para marcar a sabatina

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 27/11/2021 às 19h20
André Mendonça no dia em que reassumiu o cargo de advogado-geral da União no governo Bolsonaro
O ex-advogado-geral da União André Mendonça. Crédito: Marcos Correa/PR

Com atuação destacada durante a CPI da Covid, a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) anunciou neste sábado (27) que foi escolhida para a relatoria da indicação de André Mendonça à vaga em aberto no STF (Supremo Tribunal Federal).

Ex-ministro da Justiça e ex-AGU (Advogado-geral da União) do governo Bolsonaro, Mendonça foi indicado ao STF em julho e deverá ser sabatinado nessa semana pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado e ter o nome votado nessa semana pelo plenário da Casa, após mais de quatro meses de espera.

Em vídeo publicado no Instagram, a parlamentar afirmou que o convite, feito pelo presidente da CCJ, Davi Alcolumbre (DEM-AP), "é um prestígio à bancada feminina do Senado e também aos evangélicos, e demonstra, claramente, o seu respeito pela diversidade religiosa no Brasil".

Eliziane, que também é evangélica, já elogiou Mendonça e era parte do grupo no Senado que vinha cobrando Alcolumbre para marcar a sabatina. Líderes religiosos dentro e fora do Congresso lideraram a pressão contra o presidente da CCJ.

Este vídeo pode te interessar

A senadora já se manifestou a favor da aprovação do nome do ex-ministro. "Ele tem um bom currículo jurídico e aporta qualidade ao Supremo. A sua condição de estar no péssimo governo Bolsonaro não lhe retira a capacidade técnica. Confio que no supremo sua ética e formação prevalecerão no nível mais alto", afirmou a senadora ao UOL em julho, logo após a confirmação da indicação.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.