Pacientes de Rondônia chegam a RS e PR para tratar Covid-19

Rondônia vive uma escalada de novos casos e de hospitalizações de pacientes com a Covid-19. Rondônia também teve o seu sistema de saúde pressionado por pacientes de outros Estados

Publicado em 27/01/2021 às 18h43
Pacientes chegam ao RS
Pacientes chegam ao RS. Crédito: Governo do Rio Grande do Sul

O Rio Grande do Sul e o Paraná já receberam os primeiros pacientes com Covid-19 transferidos de Rondônia. Com o sistema de saúde em colapso e a falta de leitos de UTI, o estado nortista precisou transferir pacientes para outras unidades da federação.

No Rio Grande do Sul, os pacientes chegaram em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) e desembarcaram no aeroporto de Porto Alegre. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), nove pacientes chegaram na madrugada. A rede de saúde gaúcha, entretanto, tem capacidade para receber 50 pacientes de Rondônia.

Eles ocuparão leitos de enfermaria e ficarão isolados. Os nove pacientes têm entre 49 e 71 anos de idade e passaram por uma triagem, sendo encaminhados para o Hospital de Clínicas e o Hospital Nossa Senhora da Conceição, ambos na capital.

Outras 20 pessoas devem chegar no Rio Grande do Sul na madrugada de quinta-feira (28) e uma nova leva de pacientes pode chegar até sexta-feira (29), segundo o governo de Eduardo Leite (PSDB).

Inicialmente, o estado aguardava 15 pacientes ainda na terça-feira (26). Porém, quatro desistiram por motivos pessoais e dois tiveram seus quadros de saúde agravados. Os outros nove chegaram na madrugada desta quarta.

No Paraná, Curitiba recebeu 13 pacientes, com idades entre 21 e 79 anos, na madrugada de terça.

Rondônia vive uma escalada de novos casos e de hospitalizações de pacientes com a Covid-19. Com cerca de 1,7 milhão de habitantes, o estado registrou cerca de 117,2 mil casos da Covid-19, com 2.111 mortes pela doença desde o início da epidemia.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, a ocupação de leitos de UTI estava em 100% na última segunda-feira (25). Os leitos clínicos, destinados a pacientes com menos gravidade, estavam com 71% de ocupação.

Além do avanço de casos no próprio estado, Rondônia também teve o seu sistema de saúde pressionado por pacientes de outros estados, principalmente do Amazonas, que vive uma situação de colapso.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.