ASSINE

Moro: Não remover Deltan protege procuradores de influências políticas

Conselho Nacional do Ministério Público pode tirar o procurador Deltan Dallagnol da força-tarefa da Operação Lava Jato

Publicado em 17/08/2020 às 15h46

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro saiu em defesa do procurador Deltan Dallagnol às vésperas de julgamento no Conselho Nacional do Ministério Público que pode resultar em punição ao chefe da força-tarefa da Lava Jato no Paraná.

Deltan Dallagnol, procurador da República e coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato
Deltan Dallagnol, procurador da República e coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, pode ser removido da função pelo Conselho Nacional do Ministério Público. Crédito: Ricardo Medeiros

Moro afirmou que a Constituição prevê "prerrogativas importantes" aos membros do Ministério Público, entre elas a de não poder ser removido. "Isso é uma garantia legal para que os procuradores possam atuar com segurança, independência e protegidos de influências políticas", afirmou.

Ex-juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, onde tramitam as investigações e ações penais da Lava Jato no Paraná, Moro defendeu que o trabalho da força-tarefa, sob coordenação de Deltan, "é um marco para o combate à corrupção e tem o apoio da sociedade brasileira". Logo em seguida o ex-ministro postou a nota em seu perfil no Twitter.

Três procedimentos envolvendo o chefe da Lava Jato em Curitiba estão pautados para a sessão desta terça (18), entre eles um pedido de remoção por interesse público.

O procurador chegou a recorrer ao Supremo Tribunal Federal para travar dois deles - ações disciplinares movidas por Renan Calheiros (MDB-AL) e Kátia Abreu (PP-TO) que envolvem publicação nas redes sociais e supostas atitudes de promoção pessoal. O terceiro tem relação com o powerpoint contra Lula.

Na última semana, a força-tarefa da operação em Curitiba divulgou nota em defesa de Deltan, afirmando que a atuação do procurador é "correta, dedicada e corajosa" e comprometida com a causa anticorrupção.

O grupo argumenta que as representações em julgamento não foram provadas ou incluem episódios arquivados pela Corregedoria e foram trazidas à tona em um "movimento de reação aos avanços contra a corrupção visando a impedir ou macular investigações".

Neste sábado (15) integrantes do Ministério Público em todo o país iniciaram um abaixo-assinado defendendo a "importância das garantias constitucionais da inamovibilidade e da independência funcional para o regular cumprimento das suas relevantes funções em defesa da sociedade".

Até a tarde deste domingo, 16, o documento contava com mais de 2.250 assinaturas, entre procuradores da República e dos outros ramos do Ministério Público da União, além de promotores e procuradores de Justiça que integram os quadros do MP nos Estados.

"A pretensão de utilizar a remoção compulsória de membros do Ministério Público com fundamento no interesse público só se justifica em casos absolutamente excepcionais, em que reste devidamente comprovada a completa falta de compromisso e responsabilidade do agente com o cargo exercido", diz o documento.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.