Governadores concordam em doar 5% das vacinas que receberem para o Amazonas

A proposta do governador do Piauí é que, "na distribuição do novo lote de seis milhões de doses, que a gente possa tirar uma fatia maior, algo como 5%, cerca de 300 mil vacinas"

Publicado em 22/01/2021 às 11h35
As vacinas servem para estimular o sistema imunológico que passa a reconhecer agentes que causam doenças produzindo anticorpos
O recebimento de imunizantes extras pelo Amazonas foi proposto diante do colapso de saúde e da falta de oxigênio . Crédito: Rawpixel/AdobeStock

O Fórum dos Governadores concordou em destinar 5% das doses da vacina que os Estados irão receber para o Amazonas, principalmente Manaus. A proposta foi apresentada na quinta-feira (21), pelo governador do Piauí, Wellington Dias (PT). Segundo ele, além de "uma questão humanitária", a ação é "estratégica" para evitar a transmissão para outras localidades do país. Em um vídeo publicado no Instagram nesta sexta-feira (22), Dias comenta que a situação no Amazonas "é muito mais grave do que antes", em referência à semana passada, e aponta que o vírus já marca forte presença "na divisa com o Estado do Pará".

A proposta do governador é que, "na distribuição do novo lote de seis milhões de doses, que a gente possa tirar uma fatia maior, algo como 5%, cerca de 300 mil vacinas, para viabilizar a vacinação em Manaus e nesses municípios mais afetados, inclusive da divisa com os Estados".

Para Dias, ao controlar a situação em Manaus, "estamos controlando também no Brasil". Ainda no Twitter, o governador reforçou: "torço para que a proposta seja implementada".

O recebimento de imunizantes extras pelo Amazonas foi proposto diante do colapso de saúde e da falta de oxigênio registrados na capital amazonense desde a última semana e que vem se espalhando pelos demais municípios. Segundo o governador do Piauí, a ação foi aprovada por parte dos governadores e apoiada pelo Ministério da Saúde.

Ainda nesta sexta-feira, o Brasil deve receber 2 milhões de doses do imunizante da Oxford/Astrazeneca vindas da Índia.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.