ASSINE

Brasil registra 106 casos de varíola dos macacos

Ministério da Saúde divulgou novo balanço nesta quarta-feira (6); São Paulo e Rio de Janeiro são os Estados com mais confirmações da doença

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 06/07/2022 às 21h13

Ministério da Saúde confirmou 106 casos de varíola dos macacos no Brasil, segundo balanço divulgado nesta quarta-feira (6). São Paulo é o Estado mais afetado, com 75 pacientes identificados. Segundo a pasta, existe uma articulação direta com os Estados "para o monitoramento dos casos e rastreamento dos contatos dos pacientes".

VEJA CASOS POR ESTADO:

  • São Paulo: 75 casos
  • Rio de Janeiro: 20 casos
  • Minas Gerais: três casos
  • Ceará: dois casos
  • Paraná: dois casos
  • Rio Grande do Sul: dois casos
  • Rio Grande do Norte: um caso
  • Distrito Federal: um caso
Varíola dos macacos
Varíola dos macacos. Crédito: Shutterstock

COMO ACONTECE A CONTAMINAÇÃO

A varíola dos macacos é uma doença viral rara transmitida pelo contato próximo ou íntimo com uma pessoa infectada e com lesões de pele. Esse contato pode ser, por exemplo, por abraço, beijo, massagens, relações sexuais ou secreções respiratórias próximas e por tempo prolongado.

PREVENÇÃO E SINTOMAS

Para prevenir a infecção, a recomendação é evitar contato próximo com a pessoa doente até que todas as feridas tenham cicatrizado, evitar o contato com qualquer material, como roupas de cama, que tenha sido utilizado pela por ela, e higienizar as mãos, lavando-as com água e sabão.

Os primeiros sintomas podem ser: febre, dor de cabeça, dores musculares e nas costas, linfonodos inchados, calafrios ou cansaço. De um a três dias após o início desses sintomas, as pessoas desenvolvem lesões de pele que podem estar localizadas em mãos, boca, pés, peito, rosto e regiões genitais.

A varíola dos macacos pode ser letal, mas o risco é baixo. Existem dois grupos distintos do vírus da doença circulando no mundo, agrupados com base em características genéticas: um predominantemente em países da África Central – com taxa de fatalidade de cerca de 10% – e outro circulando na África Ocidental, com taxa bem menor, de 1%.

Complicações podem ocorrer, principalmente infecções bacterianas secundárias da pele ou dos pulmões, que podem evoluir para morte ou disseminação do vírus para o sistema nervoso central, gerando um quadro de inflamação cerebral grave chamado encefalite, que pode ter sequelas sérias.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.