ASSINE

Bolsonaro anuncia novo ministro da Educação

Após uma semana da demissão de Abraham Weintraub, o presidente escolheu o professor Carlos Alberto Decotelli da Silva, que já fazia parte do MEC, para o cargo

Publicado em 25/06/2020 às 15h27
Atualizado em 26/06/2020 às 13h49
Jair Bolsonaro e o professor Carlos Alberto Decotelli da Silva, novo ministro da Educação
Jair Bolsonaro e o professor Carlos Alberto Decotelli da Silva, novo ministro da Educação . Crédito: Reprodução/Facebook

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou nesta quinta-feira (25), em suas redes sociais, a nomeação do professor Carlos Alberto Decotelli da Silva para o cargo de Ministro da Educação. O cargo estava sendo ocupado interinamente por Antonio Paulo Vogel de Medeiros desde a demissão de Abraham Weintraub, na última quinta-feira (18). 

Segundo a publicação de Bolsonaro, Decotelli é bacharel em Ciências Econômicas pela UERJ, mestre pela FGV, doutor pela Universidade de Rosário, Argentina e Pós-Doutor pela Universidade de Wuppertal, na Alemanha.

Ele já teve experiência no Ministério da Educação (MEC) em 2019, é considerado um nome técnico, mas de perfil conservador. Decotelli participou da equipe de transição de Bolsonaro após a eleição presidencial, de 2018, e foi presidente do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE) no início do governo, de fevereiro de 2019 até agosto do ano passado. Depois, deu lugar a Sérgio Dias, um indicado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Decotelli tem o apoio na ala militar do governo, principalmente de almirantes. É o primeiro negro a integrar a equipe de ministros do governo.

A disputa pelo comando do MEC mobilizou as alas ideológica, militar e civil do Planalto. Decotelli acabou sendo o escolhido como uma alternativa apaziguardora e técnica para a função. O objetivo é reparar o desgaste da imagem do ministério que foi comandado até a semana passada por Weintraub.

Nos bastidores do Palácio do Planalto, a informação é de que pesou a favor de Decotelli o apoio do secretário especial de Assuntos Estratégicos, almirante Flávio Rocha, hoje um dos auxiliares mais próximos de Bolsonaro. O novo ministro da Educação é militar da reserva da Marinha.

OUTROS COTADOS

Mais cedo, Bolsonaro comunicou Renato Feder, secretário de Educação do Paraná, de que ele está fora do páreo nesta quinta-feira (25). O secretário se reuniu ao menos duas vezes com o presidente e era um dos cotados para o cargo.

Um dos motivos que levaram o secretário a desidratar na bolsa de apostas foi o fato de ele ter sido um dos doadores da campanha de João Doria (PSDB-SP) ao governo de São Paulo em 2018.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.