ASSINE

Aras abre apuração para averiguar se Pazuello cometeu fraude

A investigação refere-se ao encaminhamento do plano de imunização contra a Covid-19 enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF)

Publicado em 05/03/2021 às 21h50
Atualizado em 05/03/2021 às 21h50
Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello
Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello: investigado sob acusação de falsidade ideológica e fraude processual. Crédito: Alan Santos/PR

O procurador-geral da República Augusto Aras informou ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que apura se o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, cometeu falsidade ideológica e fraude processual quando encaminhou o plano nacional de vacinação contra a Covid-19 à Corte máxima em dezembro. Os supostos crimes estariam relacionados à nota em que um grupo de 36 especialistas listados no documento alegou não ter lido e nem dado 'anuência' ao plano.

A informação foi encaminhada a Fachin na noite desta quinta (4), o âmbito de uma notícia-crime apresentada ao STF pela deputada federal Natália Bonavides. A parlamentar alegou que Pazuello prestou 'informações inverídicas' à Corte.

Aras disse a Fachin que já tramita na Procuradoria-Geral da República (PGR) uma notícia de fato destinada à 'averiguação preliminar' do caso e pediu o arquivamento da petição de Bonavides. "Eventual surgimento de indícios razoáveis de prática criminosa pela autoridade noticiada ensejará, pois, a adoção das providências necessárias à persecução penal", registrou o PGR.

O plano de imunização que está relacionado à apuração aberta por Aras foi entregue ao Supremo no dia 11 de dezembro, às vésperas do julgamento que iria discutir a obrigatoriedade da vacina e a apresentação, por parte do Palácio do Planalto, de um plano contra a doença.

Horas depois, 36 especialistas do grupo técnico do eixo epidemiológico do comitê que assessorou o Ministério da Saúde na elaboração do plano divulgaram nota afirmando não terem sido consultados sobre a versão final do texto. "Nos causou surpresa e estranheza que o documento no qual constam os nomes dos pesquisadores deste grupo técnico não nos foi apresentado anteriormente e não obteve nossa anuência", registraram.

Após o pronunciamento dos pesquisadores, o Ministério da Saúde rebateu as críticas alegando que os profissionais indicados pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) atuaram como "convidados especiais" nos debates sobre o plano de vacinação contra a Covid-19. Segundo a pasta, o papel dos especialistas era de "cunho opinativo e sem qualquer poder de decisão" sobre o plano apresentado.

Ministério da Saúde Augusto Aras Eduardo Pazuello Procuradoria-Geral da República (PGR) Vacinas contra a Covid-19

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.