Autor(a) convidado(a)

Cegueira do discurso anticiência cria um problema de saúde pública

Evidentemente, como qualquer outro setor de nossa sociedade, o campo científico não é neutro. Mas contrapor descobertas da ciência com achismos é passar atestado de ignorância

Publicado em 18/01/2021 às 11h10
As vacinas servem para estimular o sistema imunológico que passa a reconhecer agentes que causam doenças produzindo anticorpos
Vacina está no centro dos confrontos discursivos da pandemia. Crédito: Freepik

Ao longo da história, intelectuais de diferentes correntes de pensamento – como Foucault, Paulo Freire, Bakhtin e Pêcheux – apontaram que o campo discursivo é um importante palco simbólico para os diversos antagonismos sociais. Isso significa que o emprego frequente de determinadas palavras e expressões não são meras escolhas linguísticas, mas imposições ideológicas, que refletem relações de poder.

Por exemplo, o adjetivo “civilizado”, em referência ao colonizador europeu, utilizado em contraposição ao termo “bárbaro”, que indica os povos colonizados, foi uma maneira de legitimar lexicalmente a dominação imposta pela Europa ao restante do planeta.

Pois bem, essa prática de disputa discursiva não é diferente ao pensarmos nos desdobramentos da principal pauta da agenda pública global dos últimos meses: a pandemia de Covid-19. Com a chegada do coronavírus ao Brasil, os chamados “negacionistas” – indivíduos que negam a gravidade da pandemia e espalham teorias da conspiração nas redes sociais – tentaram emplacar o termo “vírus chinês” para se referir ao parasita causador da Covid-19.

A ideologia por trás dessa prática era culpar o governo chinês pelo coronavírus ou então corroborar a teoria da conspiração baseada na ideia de que Pequim teria criado o coronavírus para dominar a economia global. Felizmente, lembrando uma expressão popular, tal estratégia discursiva “deu com os burros n'água”, ficando restrita aos negacionistas.

Perdida a batalha lexical pela nomenclatura do coronavírus, surgiu uma nova frente: deslegitimar as vacinas contra a Covid-19, sobretudo a CoronaVac, desenvolvida pela companhia biofarmacêutica chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan. Desse modo, foram cunhados os termos “vachina” e “vacina do Dória”. O objetivo era negar qualquer eficácia e sustentar todo tipo de teoria da conspiração em relação à CoronaVac.

É óbvio que seria extremamente ingênuo acreditar que João Dória não pretende tirar dividendos eleitorais com a CoronaVac. No entanto, esta vacina não foi elaborada pelo governador de São Paulo, mas por instituições científicas com décadas de experiência na área. É controverso pensar que Sinovac Biotech e Instituto Butantan produziriam uma vacina ineficiente, colocando em xeque décadas de trabalho, apenas por uma questão de guerra política.

Evidentemente, como qualquer outro setor de nossa sociedade, o campo científico não é neutro. Bruno Latour e Thomas Kuhn já nos alertavam que interesses econômicos, vaidades acadêmicas e aspirações políticas também perpassam as práticas científicas. Porém, contrapor descobertas da ciência com achismos, áudios de WhatsApp ou interpretação equivocada de dados não é um caminho intelectualmente indicado, é passar atestado de ignorância.

Em suma, pior do que a crença positivista cega na ciência, é a cegueira do discurso anticiência, que, no atual contexto, além de representar grave déficit cognitivo, significa um problema de saúde pública.

O autor é doutorando em Geografia (UFSC), mestre em Geografia (UFSJ) e articulista do Observatório da Imprensa.

Covid-19 Vacina Pandemia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.