ASSINE
Findeslab da Findes, na Reta da Penha, é um espaço de inovação
Findeslab da Findes, na Reta da Penha, é um espaço de inovação. Crédito: Fernando Madeira

Ferramenta faz raio-x de cidades e guia decisões de prefeitos e empresas

Indicador de Ambiente de Negócios (IAN) da Findes reúne 39 indicadores, dos 78 municípios capixabas, como segurança pública e desempenho em educação

Publicado em 03/12/2020 às 01h40
  • Simone Azevedo

    Reportagem especial para o Anuário ES

Um investimento não acontece sem análise e planejamento prévios. Aspectos como segurança pública, desempenho em educação básica, saneamento, condições das estradas, fornecimento de energia, qualidade do sinal de telefonia, por exemplo, são determinantes para a viabilidade dos projetos.

Para auxiliar empresários e futuros investidores a traçar um panorama da infraestrutura, potencial de mercado, capital humano e gestão fiscal dos municípios do Espírito Santo, assim como permitir aos gestores públicos identificar pontos fortes e fracos a serem trabalhados, foi criado o Indicador de Ambiente de Negócios (IAN).

A ferramenta, desenvolvida pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional e Industrial do Espírito Santo (Ideies) e a Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), reúne 39 indicadores, de todas as 78 cidades capixabas. No banco de dados também estão reunidas boas práticas adotadas em outras localidades do país, que podem embasar estratégias de melhorias para o Espírito Santo.

“Todo investidor precisa ter acesso a informações estratégicas que levem em conta, por exemplo, as seguintes variáveis em nível municipal: a evolução do Produto Interno Bruno (PIB) nos últimos anos, a diversidade setorial da economia local, a qualidade do ensino na educação básica e fundamental, a qualificação da mão de obra, a qualidade e a disponibilidade dos serviços de saúde, a qualidade de infraestrutura, os índices de segurança pública, os gastos em pesquisa, desenvolvimento e inovação, a gestão fiscal”, explica o economista-chefe da Findes e diretor-executivo do Ideies, Marcelo Saintive.

Importante ferramenta para o desenvolvimento da indústria, o indicador ajuda a revelar quais são as melhores cidades para investir e permite aos gestores e cidadãos identificar as principais deficiências dos municípios e direcionar esforços para melhorar as condições de negócios, gerar emprego e renda e estimular o desenvolvimento local.

FindesLab
Findes tem espaço para o desenvolvimento tecnológico e criação de novos produtos . Crédito: Alexandre Mendonça/ Comunicação da Findes

39 indicadores

COMPÕEM O INDICADOR DE AMBIENTE DE NEGÓCIOS (IAN)

“O IAN permite o conhecimento de realidades específicas e reduz a assimetria de informações. Quando disponibilizamos, por exemplo, o índice de coleta de esgoto ou o percentual de perdas na distribuição de água de um município, estamos dando acesso a uma informação para os dois lados que interagem nesta relação econômica. Assim, as informações que eram públicas, porém difusas e não verificáveis por todos, tornam-se acessíveis e, consequentemente, possibilitam uma participação mais ativa da sociedade civil organizada na melhoria do bem-estar local”, avalia Saintive.

A comparação entre os ambientes de negócios dos municípios não é feita de forma aleatória. O IAN agrupa os municípios em seis clusters definidos por variáveis como microrregião, população e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), agregando, assim, os municípios que são semelhantes, para considerar as disparidades regionais.

Usando como exemplo a cidade de Vitória, o indicador revela que a Capital tem um IAN de 7,11 pontos e ocupa a primeira posição do seu cluster, ou seja, tem um índice maior que os demais municípios capixabas com dados de microrregião, população e IDH semelhantes. Para chegar a esse índice, a ferramenta analisou as condições de infraestrutura, potencial de mercado, capital humano e gestão fiscal da cidade.

Marcelo Saintive

Diretor-executivo do Ideies

"Nos últimos 15 anos o Espírito Santo se reorganizou como Estado, como sociedade. São inúmeros avanços, desde a redução da criminalidade passando pela melhor qualidade da educação culminando pelo reconhecimento na qualidade e responsabilidade da gestão fiscal"

Para Saintive, mais importante do que a nota em si, é identificar os pontos de melhoria na competitividade da cidade e no ambiente de negócios. “Vitória é uma capital boa para se investir. Diversos indicadores apontam a qualidade da cidade nos diversos eixos que compõem. Vitória tem um potencial enorme para ser um hub no que se refere ao comércio exterior, bem como um enorme potencial turístico”, avaliou.

Em relação ao Estado como um todo, o economista destaca os bons indicadores. “Nos últimos 15 anos o Espírito Santo se reorganizou como Estado, como sociedade. São inúmeros avanços, desde a redução da criminalidade passando pela melhor qualidade da educação culminando pelo reconhecimento na qualidade e responsabilidade da gestão fiscal. Além disso, o Estado tem vantagens comparativas na sua biodiversidade terrestre e marinha. Após um ano difícil e atípico na economia mundial, estou otimista com a retomada do crescimento econômico do Estado”, finaliza Saintive.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.