A Gazeta lança página Todas Elas para inspirar e encorajar mulheres

Além de dar mais visibilidade aos casos de violência contra as mulheres no Espírito Santo, novo projeto quer gerar mais empatia entre as capixabas, questionar desigualdades e encorajá-las na luta pelos seus direitos

Publicado em 25/09/2020 às 05h00
Atualizado em 25/09/2020 às 09h54
Lançamento TodasElas
Todas Elas: nova página de A Gazeta traz mais visibilidade para as mulheres . Crédito: Allef Vinicius/Unsplash

Espírito Santo é um dos lugares mais perigosos para ser mulher em todo o Brasil. O Estado chegou, inclusive, a liderar esse triste ranking em alguns anos na última década. Muitos dos crimes de violência doméstica foram acompanhados de perto por jornalistas de A Gazeta, que constataram, no dia a dia, as dificuldades para se mudar uma realidade marcada pelo machismo, pela desigualdade e pelo desamparo às vítimas. 

São várias histórias que acontecem todos os dias. Mães, filhas, profissionais que são atingidas, muitas vezes de forma silenciosa e sem apoio, pela violência de gênero. 

Por essas mulheres e por outras que ainda vão nascer, A Gazeta lança nesta sexta-feira (25) a nova página Todas Elas, que quer, além de dar visibilidade aos crimes motivados pelo gênero, auxiliar as vítimas para que consigam encerrar o ciclo da violência e conquistem novas perspectivas de vida através da informação, empoderamento e oportunidades. O endereço do novo espaço é www.agazeta.com.br/todaselas.

A ideia é ainda mostrar o avanço das mulheres no mercado corporativo e a importância de oportunidades no ambiente profissional.

INÍCIO DO PROJETO

 O projeto Todas Elas nasceu em 2019, dentro da redação, após os jornalistas notarem a necessidade de tratar os casos de violência contra a mulher como um problema específico, que necessita ser discutido com profundidade e envolvendo um maior número de pessoas na conscientização. 

Elaine Silva, editora-chefe da redação A Gazeta/CBN, explica que o trabalho se propõe a causar reflexão sobre a valorização das mulheres, e revelar também a série de dores e traumas que muitas vivem ou superaram.

"Em 20 anos de trabalho em A Gazeta, muitos foram os casos de violência contra mulher que presenciei e vi o jornal contar. E sempre, principalmente naqueles mais bárbaros, nos perguntávamos, como jornalistas e, no meu caso, como mulher, o porquê de o Espírito Santo ser um Estado tão violento. Seria algo cultural, originário da formação da sociedade capixaba? A busca dessas respostas nos fez debater cada vez mais, entre nós, jornalistas, as razões para tantos crimes e violência", ressalta.

22/10/2019 - Vitória/ES - Elaine Silva, apresentação da nova Gazeta para convidados.
Elaine Silva, editora-chefe da redação A Gazeta/CBN. Crédito: Ricardo Medeiros

Elaine Silva

Editora-chefe da redação A Gazeta/CBN

"Queremos ajudar essas mulheres a superar seus sofrimentos e dar a volta por cima. Não podemos simplesmente ficar paralisados enquanto vários casos se repetem aos quatro cantos capixabas. É uma forma de unir vozes, desejos, pedidos de socorro, em torno de um canal para valorizar a mulher"

PACTO SOCIAL PARA APOIAR MULHERES

A editora de Cotidiano Érica Vaz que, nos últimos anos, esteve à frente das reportagens sobre segurança pública em A Gazeta, lembra que por muito tempo a cobertura policial - em especial os crimes contra a mulher - foi pautada em reportagens factuais, sem uma reflexão mais profunda sobre os impactos da violência de gênero. A ideia do Todas Elas surgiu, justamente, da necessidade de transformar essa forma de abordagem. 

"Por muito tempo a cobertura jornalística ficou sem espaço para o diálogo e construção de alternativas para enfrentar estatísticas tão dolorosas. Não são casos isolados. Violência de gênero é um problema social gravíssimo e impacta todos nós. O projeto Todas Elas quer dar urgência para essas questões e propor um pacto social que ajude as mulheres a construir uma outra realidade", argumenta.

NOVAS ABORDAGENS BASEADAS NA EMPATIA

A  editora de Cotidiano Joyce Meriguetti conta que a desigualdade de gênero e os crimes contra as mulheres são práticas que,  infelizmente,  se repetem com uma frequência assustadora no Estado. Mas, mesmo enraizado em nossa cultura, ela observa que o problema não pode ser naturalizado.  Por isso, atualmente A Gazeta tem buscado diferentes formas de informar.

"Queremos mudar comportamentos com informação. Usamos abordagens diferentes para falar do assunto e gerar empatia.  Lançamos ferramentas e realizamos eventos para debate e conscientização. O contador do feminicídio, criado por A Gazeta, é uma forma de mostrar quantas mulheres tiveram a voz calada e cobrar providências para que os crimes não fiquem impunes. Mas em nossa cobertura, mulheres assassinadas não são só números, elas têm nome, família e histórias, que merecem ser retratadas. O Todas Elas disponibiliza também formulário para denúncias e realiza rodadas de discussão sobre as batalhas diárias das mulheres no trabalho, na rua e em casa", destaca. 

PROMOVER A INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA

O Todas Elas propõe, ainda, promover a independência financeira das mulheres, que tem importante papel de interromper o ciclo da violência. A editora de Economia Mikaella Campos constata que, ainda na infância, somos ensinados que homens e mulheres têm lugares e oportunidades distintos no mundo. 

Dessa forma, é perpetuada a cultura da desigualdade e discriminação - com mulheres ganhando salários mais baixos, com mais responsabilidades domésticas e sofrendo assédio até no ambiente profissional. Tudo isso, ela lembra, resulta em consequências no mercado de trabalho e também na vida pessoal das mulheres.

"O Todas Elas quer ser além de um canal de denúncias. Tem a intenção de ser um espaço de combate às desigualdades de gêneros, mostrando que elas têm muito valor para o ambiente corporativo, que são preparadas, empreendedoras e que podem, sim, ter independência financeira e tocar suas vidas com liberdade para escolher o que fazer, onde ir e com quem se relacionar ou não. Nossa proposta também é contar histórias de quem venceu e ajudar outras a encontrarem seus caminhos e a se libertarem de qualquer amarra que as possa impedir de conquistar suas ambições nas vidas pessoal e profissional."

OUTROS TEMAS

A nova página, além de temas de violência e combate à desigualdade, também vai trazer conteúdos, como dicas de finanças, empreendedorismo, oportunidades de trabalho, entrevistas, reportagens sobre saúde e educação, participação da mulher na política, análises sobre o machismo estrutural, entre outros assuntos importantes para o universo feminino.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.