ASSINE

Acne na quarentena? Dermatologistas dão dicas para melhorar a pele

A ingestão de alimentos com alto índice glicêmico, como doces e açúcares, pode estimular a produção de sebo. O quadro de ansiedade e estresse também pode fazer a pessoa a desenvolver piora do quadro de outras doenças dermatológicas

Publicado em 25/05/2020 às 18h10
Atualizado em 25/05/2020 às 18h41
Mulher com acne no rosto
Ansiedade e consumo de açúcar exagerado ocasionam o surgimento de acnes. Crédito: shutterstock

O período de quarentena trouxe mudanças significativas na rotina de todo mundo. O isolamento aumenta o estresse, que influencia o surgimento da acne. "A pele é como se fosse o espelho do funcionamento do organismo. Sua cor, textura, umidade e seus demais aspectos refletem nosso estado tanto psicológico quanto fisiológico", explica a dermatologista Thayla Campostrini. Estudos indicam que quando o corpo se encontra em estado de estresse há liberação de uma substância conhecida como cortisol, que estimula a produção de hormônios androgênios e de sebo pelas glândulas sebáceas, fatores relacionados ao surgimento e agravamento da acne.

O quadro de ansiedade e estresse pode fazer a pessoa desenvolver ou apresentar piora do quadro de outras doenças dermatológicas como vitiligo, psoríase, urticárias, herpes, dermatites, além de queda capilar. Thayla explica que a acne deve ser tratada o mais precocemente possível, não só por razões estéticas, como também para preservar a saúde psíquica, além de prevenir cicatrizes (marcas da acne), que são difíceis de tratar. "Outro ponto importante é que, em nenhuma hipótese, deve-se manipular, como cutucar ou espremer as lesões, pois isso pode levar à infecção, inflamação e cicatrizes", ressalta a médica.

Evite comida gordurosas

Mesmo em casa é preciso manter um cuidado diário com a pele a fim de obter uma melhora da sua qualidade. "Toda pessoa deve ter cuidado com a higiene da pele, utilizar sabonetes para seu tipo de pele além de seguir as recomendações do dermatologista. Em casa, ela pode utilizar os remédios prescritos, além dos cuidados de evitar comidas gordurosas e lavar bem a pele", explica a dermatologista Karina Mazzini.

Quem não tem exagerado no chocolate durante esse período? Pois é, ele pode ser um dos vilões. "As comidas gordurosas para quem tem acne devem ser evitadas, por conta do aumento da oleosidade que causa na pele. O certo é não pecar pelo excesso", recomenta a dermatologista. 

Karina Mazzini

Dermatologista

"As comidas gordurosas para quem tem acne devem ser evitadas, por conta do aumento da oleosidade que causa na pele, o certo é não pecar pelo excesso"

Thayla Campostrini explica que a mudança no padrão de alimentação durante a quarentena, com ingestão excessiva de alimentos com alto índice e carga glicêmicos, como o açúcar, assim como o consumo elevado de leite e seus derivados, estimula  um aumento na produção de insulina. "É o que chamamos de hiperinsulinemia. Ela pode estimular a produção de hormônios, como os  andrógenos, que por sua vez, podem aumentar a produção de sebo, um dos principais fatores implicados no desenvolvimento da acne". 

Já as mulheres com a Síndrome dos Ovários Policísticos também sofrem com o aumento de acnes, já que ela está associada ao aumento da produção de hormônios androgênios que estimula a produção de sebo pelas glândulas sebáceas, influenciando no surgimento ou piora do quadro de acne. "A Síndrome do Ovário Policístico tem vários sintomas. A acne é um deles e pode piorar sim neste período de estresse. Até se a pessoa tiver acne o efeito pode ser pior", diz Karina Mazzini. Muitas vezes o dermatologista atuará junto com o ginecologista na tentativa de regularização dos níveis hormonais para controle da doença.

Rotina de cuidados

As médicas explicam que é fundamental criar uma rotina de cuidados com pele. "Mesmo dentro de casa, é preciso manter uma rotina de skincare diário, procurando sempre usar produtos específicos para seu tipo de pele. A lavagem do rosto ao menos duas vezes ao dia com sabonete adequado para pele oleosa e acneica é fundamental, assim como o uso de protetor solar com propriedade antioleosidade, já que a luz visível também causa danos", explica Thayla.

 Karoliny Calmon Brasil teve aumento de acne e  glândula atrás da orelha durante a quarentena.
Karoliny Calmon Brasil teve aumento de acne e glândula atrás da orelha durante a quarentena. "Faço limpeza de pele a cada 15 dias". Crédito: Divulgação

Karina Mazzini indica ter uma rotina de uso de cremes e limpeza de pele. "Principalmente para quem tem pele oleosa, deve-se lavar o rosto com sabão neutro e utilizar cremes voltados para o rosto. As máscaras faciais também auxiliam. Cremes indicados por dermatologistas são mais eficazes".

Thayla Campostrini

Dermatologista

"Mesmo dentro de casa, é preciso manter uma rotina de skincare diário, procurando sempre usar produtos específicos para seu tipo de pele"

É essa rotina que  Karoliny Calmon Brasil, 14 anos, passou a adotar. Ela conta que teve um aumento de acnes durante o período de isolamento social.  "Elas começaram aparecer há cerca de um mês. É a primeira vez que acontece de aparecer várias espinhas de uma única vez e também me deu uma glândula atrás da orelha, devido à oleosidade. Minha dermatologista me indicou limpeza de pele a cada 15 dias".

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.