ASSINE
Convento da Penha preparado para a Festa da Penha de 2022
Convento da Penha preparado para a Festa da Penha de 2022. Crédito: Festa da Penha/divulgação

Festa da Penha: a caminhada da fé está de volta

Com a volta da programação totalmente presencial, maior evento religioso do Espírito Santo deve ter recorde de público

Tempo de leitura: 4min
Publicado em 23/04/2022 às 02h00
  • Manoel Goes Neto

    É escritor e subsecretário de Cultura de Vila Velha

Festa da Penha, em Vila Velha, é um patrimônio histórico-cultural-imaterial de grande relevância nos quase 500 anos de história do município canela-verde e dos capixabas. Temos no Convento da Penha maravilhosas obras de arte de importantes artistas, de várias épocas, destacando-se as de Benedito Calixto, de Vitor Meireles, e Carlo Crepaz. A autoria da tela de Nossa Senhora das Alegrias e de Nossa Senhora da Penha, trazidas por Frei Pedro Palácios, é de autor desconhecido. Um ícone capixaba que é obrigatório conhecer, principalmente para desfrutar do belíssimo visual, visto do alto, das terras capixabas.

A primeira romaria organizada foi a dos Homens, que começou em 1958. Nessa época, os romeiros seguiam da Catedral Metropolitana de Vitória até o Campinho do Convento, um percurso exclusivo masculino. Com o aumento da quantidade de devotos da Santa, outras romarias surgiram, como a dos Militares, dos Ciclistas, dos Conguistas, dos Cavaleiros, dos Motociclistas, dos Portadores de Necessidades Especiais, entre outras.

A última foi a das Mulheres, que começou em 1995, com a permissão para mulheres participarem das romarias. O final do percurso das romarias é sempre no Parque da Prainha de Vila Velha, hoje o Campinho no alto da Penha não comporta mais a quantidade de fiéis. 

O crescimento da população e o incentivo nas igrejas contribuíram para o sucesso da Festa da Penha. Fiéis de vários pontos do Estado chegam para as festividades, além das caravanas: dezenas de ônibus saem de cidades do interior em direção a Vila Velha, lotados de católicos que desejam participar do evento, que hoje voltou a ser feriado estadual.

Segundo alguns historiadores o Convento propriamente dito, foi fundado em 1651, praticamente 80 anos depois da morte do irmão leigo franciscano Pedro Palácios, que havia chegado a Vila Velha nos anos 1550, e construiu no alto da Penha um oratório (ermida), onde colocou a estampa de Nossa Senhora das Alegrias, e escultura em madeira de Nossa Senhora da Penha, que mandara vir de Portugal. A festa teve um início muito simples em 1571 com pequenos grupos de fiéis organizando e realizando as missas em homenagem a Nossa Senhora.

No final do século XVI, a então governadora da Capitania do Estado do Espírito Santo, Dona Luísa Grinalda (ou Grimaldi), fez a doação do Outeiro da Ermida das Palmeiras (Monte da Penha) para os religiosos, através de Título Colonial de Doação. Importante lembrar que não foi frei Pedro Palácios que construiu o Convento, mesmo porque não tinha atribuição para decidir por essa fundação, e aqui estava sozinho, tendo chegado já um ancião para a época, com cerca de 58 anos de idade.

A obra do Convento contou com trabalho de devotos, de indígenas e de escravos africanos, existindo lá inclusive uma senzala que chegou a ter 60 serviçais, que atuavam também na manutenção. Foi a partir de 1639 que o então Guardião do Convento da Penha, Frei Paulo de Santo Antônio, transformou a então ermida em altar-mor e começou a construir a igreja que, com o passar dos anos foi se ampliando com a construção do Convento, e em 1750 tomou a forma arquitetônica de Cidadela Medieval, única construção desse tipo no Brasil.

A Festa da Penha, maior evento religioso do Estado, este ano na sua 452ª edição, terá de volta a sua tradicional programação totalmente presencial, no período de 17 a 25 de abril, após dois anos de pandemia. Além do significado religioso que tem para o Estado, é uma das mais importantes festas para o movimento turístico capixaba, crescendo a cada ano, devido a data ser feriado estadual.

É a terceira maior festividade mariana do Brasil, e neste ano os organizadores têm a expectativa de ser a maior Festa da Penha de todos os tempos, recebendo recorde de participantes: acreditam em mais de 1,2 milhão de fiéis, reforçados pelo feriado nacional de Tiradentes, 21 de abril,  e sem contar que as festividades se iniciam no domingo de Páscoa.

Este vídeo pode te interessar

Após a fase crítica da pandemia, o cenário atual é otimista devido à ampla cobertura vacinal, o que permitirá o alto da Penha ser tomado por romeiros e devotos, em demonstração de fé cristã, tendo ainda show nacional com a cantora Fafá de Belém, neste domingo (24), às 19h.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.