ASSINE
Sede da Academia Espírito-santense de Letras, no Centro de Vitória: a aquisição da sede definitiva ocorreu em 1975
Sede da Academia Espírito-santense de Letras, no Centro de Vitória: a aquisição da sede definitiva ocorreu em 1975. Crédito: Reprodução/Site da AEL

Academia Espírito-santense de Letras faz cem anos em 2021. Conheça sua história

Diferentemente da Academia Brasileira de Letras, criada à volta da Revista Brasileira, com organização de seu periódico em 1910, nossa Academia não reuniu sua produção inicial, que por isso ficou esparsa

Publicado em 17/04/2021 às 02h00
  • Getúlio Marcos Pereira Neves

    É membro do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo e da Academia Espírito-santense de Letras

2021 marca o centenário de fundação da Academia Espírito-santense de Letras, que por este motivo quer dar-se a conhecer mais de perto aos capixabas.

De início, põe-se a questão da data de fundação: iniciadas reuniões preparatórias a 31/07/1921, a 04/09 eram aprovados os estatutos. A instalação se deu em 28/09/1923, sob a presidência de D. Benedito Paulo Alves de Souza, 3.º bispo do Espírito Santo. A multiplicidade de datas gerou dúvidas sobre qual considerar como marco inicial. Só em 1975 foi-se a fundo na questão, definindo-se 4 de setembro de 1921 como sendo a fundação. Desde então, essa é a data magna da nossa casa de letras.

Dos registros vê-se uma trajetória acidentada: anos (1928/1937) sem reuniões, por falecimentos e mudança de acadêmicos para outras cidades; localização só em 1942 em sede própria, cedida pelo governo do Estado no prédio do Banco de Crédito Agrícola; desocupação do espaço, em 1963, para demolição do imóvel e construção da atual sede do Banestes; peregrinação por outros espaços até a aquisição da sede definitiva, em 1975.

Constam dos quadros personalidades de relevo nas suas áreas de atuação, destacando-se em número juristas, professores e jornalistas. E políticos (governadores, deputados, senadores, prefeitos), militares, religiosos, servidores públicos, empresários e profissionais liberais, irmanados no interesse pela cultura em geral e a literatura em particular.

A Academia teve benfeitores: o Acadêmico Álvaro Henrique Moreira de Souza (Saul de Navarro), escritor festejado, que em 1947, pouco antes de falecer, doou precioso conjunto de livros, hoje integrados à biblioteca que leva seu nome; o Acadêmico Kosciuszko Barbosa Leão, jurista e professor, o doador do imóvel na Cidade Alta onde fica a sede da instituição.

Teve também historiadores: o acadêmico Elpídio Pimentel, jornalista e professor, que colecionou atas e notícias sobre as reuniões iniciais; o acadêmico Eurípides Queiroz do Valle, jurista e historiador, presidente de 1941 a 1963, autor de "A Academia Espírito-santense de Letras: resenha histórica" (1945); o acadêmico Elmo Elton Santos Zamprogno, poeta e historiador, autor de "Academia Espírito-santense de Letras: patronos e acadêmicos" (1987), atualizada ao longo dos anos em várias reedições.

Diferentemente da Academia Brasileira de Letras, criada à volta da Revista Brasileira e que em 1910 organizou seu periódico, nossa Academia não reuniu sua produção inicial, que por isso ficou esparsa. A primeira publicação de cunho oficial é de 1962: a coletânea "Torta Capixaba", parceria com o livreiro Nestor Cinelli, gerente da Livraria Âncora. Um segundo número da coletânea sairia em 1989.

REVISTA DA ACADEMIA

Quanto à Revista, só em 1975 se viria a ocupar dela: em reunião naquele ano, o presidente Nelson Abel de Almeida nomeou comissão de acadêmicos para cuidar da publicação. O primeiro número sairia em 1991, na presidência de José Moysés. Publicado o segundo em 1998, pelo presidente Rômulo Salles de Sá, só a partir de 1999, na presidência de Francisco Aurélio Ribeiro, passaria a ter periodicidade anual, mantida até hoje. São 25 números publicados, reunindo textos de gêneros diversos, de autoria de acadêmicos e convidados.

A Academia Espírito-santense de Letras, em períodos de normalidade, reúne-se mensalmente na sua sede, promove palestras em escolas e organiza séries editoriais em parceria com a Prefeitura Municipal de Vitória (a Escritos de Vitória e as coleções José Costa e Roberto Almada). Como parte da programação do centenário, reviveu prática adotada no passado e instituiu concursos literários abertos ao público, reforçando o incentivo à leitura e à escrita. E sobretudo mantém-se como um grupo heterogêneo de pessoas interessadas nas Letras, numa amostra significativa do que aqui se produz em termos literários.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.