ASSINE
Sede da Academia Espírito-santense de Letras, no Centro de Vitória: a aquisição da sede definitiva ocorreu em 1975
Sede da Academia Espírito-santense de Letras, no Centro de Vitória: a aquisição da sede definitiva ocorreu em 1975. Crédito: Reprodução/Site da AEL

Academia Espírito-santense de Letras faz cem anos em 2021. Conheça sua história

Diferentemente da Academia Brasileira de Letras, criada à volta da Revista Brasileira, com organização de seu periódico em 1910, nossa Academia não reuniu sua produção inicial, que por isso ficou esparsa

Publicado em 17/04/2021 às 02h00
  • Getúlio Marcos Pereira Neves

    É membro do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo e da Academia Espírito-santense de Letras

2021 marca o centenário de fundação da Academia Espírito-santense de Letras, que por este motivo quer dar-se a conhecer mais de perto aos capixabas.

De início, põe-se a questão da data de fundação: iniciadas reuniões preparatórias a 31/07/1921, a 04/09 eram aprovados os estatutos. A instalação se deu em 28/09/1923, sob a presidência de D. Benedito Paulo Alves de Souza, 3.º bispo do Espírito Santo. A multiplicidade de datas gerou dúvidas sobre qual considerar como marco inicial. Só em 1975 foi-se a fundo na questão, definindo-se 4 de setembro de 1921 como sendo a fundação. Desde então, essa é a data magna da nossa casa de letras.

Dos registros vê-se uma trajetória acidentada: anos (1928/1937) sem reuniões, por falecimentos e mudança de acadêmicos para outras cidades; localização só em 1942 em sede própria, cedida pelo governo do Estado no prédio do Banco de Crédito Agrícola; desocupação do espaço, em 1963, para demolição do imóvel e construção da atual sede do Banestes; peregrinação por outros espaços até a aquisição da sede definitiva, em 1975.

Constam dos quadros personalidades de relevo nas suas áreas de atuação, destacando-se em número juristas, professores e jornalistas. E políticos (governadores, deputados, senadores, prefeitos), militares, religiosos, servidores públicos, empresários e profissionais liberais, irmanados no interesse pela cultura em geral e a literatura em particular.

A Academia teve benfeitores: o Acadêmico Álvaro Henrique Moreira de Souza (Saul de Navarro), escritor festejado, que em 1947, pouco antes de falecer, doou precioso conjunto de livros, hoje integrados à biblioteca que leva seu nome; o Acadêmico Kosciuszko Barbosa Leão, jurista e professor, o doador do imóvel na Cidade Alta onde fica a sede da instituição.

Teve também historiadores: o acadêmico Elpídio Pimentel, jornalista e professor, que colecionou atas e notícias sobre as reuniões iniciais; o acadêmico Eurípides Queiroz do Valle, jurista e historiador, presidente de 1941 a 1963, autor de "A Academia Espírito-santense de Letras: resenha histórica" (1945); o acadêmico Elmo Elton Santos Zamprogno, poeta e historiador, autor de "Academia Espírito-santense de Letras: patronos e acadêmicos" (1987), atualizada ao longo dos anos em várias reedições.

Diferentemente da Academia Brasileira de Letras, criada à volta da Revista Brasileira e que em 1910 organizou seu periódico, nossa Academia não reuniu sua produção inicial, que por isso ficou esparsa. A primeira publicação de cunho oficial é de 1962: a coletânea "Torta Capixaba", parceria com o livreiro Nestor Cinelli, gerente da Livraria Âncora. Um segundo número da coletânea sairia em 1989.

REVISTA DA ACADEMIA

Quanto à Revista, só em 1975 se viria a ocupar dela: em reunião naquele ano, o presidente Nelson Abel de Almeida nomeou comissão de acadêmicos para cuidar da publicação. O primeiro número sairia em 1991, na presidência de José Moysés. Publicado o segundo em 1998, pelo presidente Rômulo Salles de Sá, só a partir de 1999, na presidência de Francisco Aurélio Ribeiro, passaria a ter periodicidade anual, mantida até hoje. São 25 números publicados, reunindo textos de gêneros diversos, de autoria de acadêmicos e convidados.

A Academia Espírito-santense de Letras, em períodos de normalidade, reúne-se mensalmente na sua sede, promove palestras em escolas e organiza séries editoriais em parceria com a Prefeitura Municipal de Vitória (a Escritos de Vitória e as coleções José Costa e Roberto Almada). Como parte da programação do centenário, reviveu prática adotada no passado e instituiu concursos literários abertos ao público, reforçando o incentivo à leitura e à escrita. E sobretudo mantém-se como um grupo heterogêneo de pessoas interessadas nas Letras, numa amostra significativa do que aqui se produz em termos literários.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.