ASSINE

Ex-presidente da África do Sul Frederik de Klerk morre aos 85 anos

O político sul-africano governou o país entre 1989 e 1994 e foi o responsável por libertar o ícone da luta contra o apartheid no país, Nelson Mandela, e outros prisioneiros políticos

Publicado em 11/11/2021 às 11h49
Os ex-presidentes sul-africanos Nelson Mandela e Frederik Willem de Klerk
Os ex-presidentes sul-africanos Nelson Mandela e Frederik Willem de Klerk. Crédito: Mike Hutchings/Reuters

Frederik Willem de Klerk, ex-presidente da África do Sul que ganhou o prêmio Nobel da Paz em 1993 por sua participação no fim do apartheid, morreu nesta quinta-feira (11), aos 85 anos. O político sul-africano governou o país entre 1989 e 1994 e foi o responsável por libertar o ícone da luta contra o apartheid no país, Nelson Mandela, e outros prisioneiros políticos.

"É com grande tristeza que a Fundação FW de Klerk anuncia a morte do ex-presidente FW de Klerk de forma tranquila em sua residência de Fresnaye esta manhã, depois de uma luta contra o câncer", anunciou a organização em um comunicado. Ele foi o nono, e possivelmente o último, em uma longa linha de presidentes brancos da África do Sul, e desmantelou o sistema de apartheid que ele e seus ancestrais ajudaram a implementar no país.

Membro de uma importante família Afrikaner, de Klerk defendeu veementemente a separação das raças durante sua longa ascensão na hierarquia política sul-africana.

Mas assim que assumiu a presidência, em 1989, surpreendeu sua nação profundamente dividida e o mundo ao reconsiderar sua posição e começar a desmantelar a política racista do apartheid na África do Sul, um passo que rendeu a ele e a Nelson Mandela, a quem libertou da prisão, o Prêmio Nobel da Paz.

Durante 27 anos, Mandela foi prisioneiro do apartheid. No fim dos anos 1980, ele negociou o fim do governo racista com de Klerk. Como presidente, de Klerk anistiou Mandela em 1990. Quatro anos mais tarde, Mandela se tornaria o primeiro presidente democraticamente eleito da África do Sul.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.