Em protesto nos EUA, repórter negro da CNN é detido, já o repórter branco não

Jornalistas cobrem atos contra morte de George Floyd, homem negro morto por policial branco

Publicado em 29/05/2020 às 12h13
O repórter da CNN Omar Jimenez sendo algemado durante cobertura de protestos em Minneapolis, nos EUA
O repórter da CNN Omar Jimenez sendo algemado durante cobertura de protestos em Minneapolis, nos EUA. Crédito: Reprodução/CNN

Dois repórteres da emissora americana CNN estão em Minneapolis para cobrir os protestos contra a morte de George Floyd, homem negro que teve o pescoço prensado contra o chão pelo joelho de um policial branco.

Um deles é Josh Campbell, branco. O outro é Omar Jimenez, negro, de ascendência latina.

Apenas um dos dois foi detido e algemado pela polícia na manhã desta sexta-feira (29) enquanto transmitia atualizações sobre os protestos.

Além de Jimenez, um produtor e um cinegrafista de sua equipe de reportagem também foram presos, sem que a polícia estadual oferecesse qualquer explicação. A câmera seguiu gravando, e a cena inteira foi exibida ao vivo durante um telejornal matinal.

A equipe de Jimenez estava próxima à delegacia onde os policiais envolvidos na morte de Floyd trabalhavam antes de serem demitidos. Na noite de quinta (28), o prédio foi incendiado por manifestantes. Não houve feridos.

Prédio incendiado por manifestantes
Prédio incendiado por manifestantes onde trabalhavam os policiais envolvidos na morte de George Floyd. Crédito: Reprodução/Twitter

O jornalista estava a alguns metros de uma fileira com dezenas de agentes da tropa de choque, equipados com escudos, capacetes e cassetetes. Alguns deles correram para conter uma manifestante a poucos passos dos jornalistas e, em seguida, aproximaram-se para exigir a saída dos profissionais de mídia.

"Nós podemos voltar para onde vocês gostariam. Estamos ao vivo neste momento. Somos uma equipe. É só nos colocarem onde vocês querem. Estamos saindo do caminho de vocês. Nós vamos para onde vocês quiserem", disse Jimenez aos agentes.

O repórter ainda tentou retomar a transmissão, descrevendo a ação policial, sem oferecer nenhum tipo de resistência, mas foi interrompido por outro agente, que anunciou a prisão.

"Você se importaria de me dizer por que estou sendo preso? Por que eu estou sendo preso?", questionou Jimenez, enquanto era algemado em frente à câmera. Não houve resposta dos policiais.

Instantes depois, o produtor e o cinegrafista também foram detidos e conduzidos a outro local.

A emissora exigiu, mais tarde, a libertação imediata dos profissionais. "Um repórter da CNN e sua equipe de produção foram presos nesta manhã em Minneapolis por fazerem seu trabalho, apesar de se identificarem -uma clara violação dos direitos da Primeira Emenda", escreveu a emissora no Twitter.

"As autoridades de Minnesota, incluindo o governador, devem libertar os três funcionários da CNN imediatamente."

De acordo com a CNN, o governador do estado de Minnesota, Tim Walz, conversou com o presidente do canal e "se desculpou profundamente" pelas prisões, que descreveu como "inaceitáveis".

Walz disse ainda que a equipe de reportagem tinha todo o direito de estar lá e que deseja que a mídia continue em Minnesota para cobrir os protestos.

Os jornalistas foram soltos minutos depois. Jimenez disse que teve "um pouco de conforto" em saber que tudo o que aconteceu estava sendo transmitido em tempo real.

"Enquanto estávamos nos afastando e vocês estavam vendo todo o bairro dizimado pela paixão dos manifestantes e, infelizmente, alguns tumultos e saques, passou pela minha cabeça: o que realmente está acontecendo aqui?"

Não muito longe do local onde o repórter e sua equipe foram presos, Campbell, o repórter branco, relatou uma experiência completamente diferente com a polícia.

"Estou sentado aqui conversando com a Guarda Nacional, conversando com a polícia. Eles estão pedindo educadamente que eu saia de um lugar para o outro. Algumas vezes eu me aproximei mais do que gostariam. Eles pediram educadamente para eu voltar. Não usaram as algemas. Muito diferente do que Omar vivenciou."

Em uma publicação no Twitter, a polícia estadual de Minnesota disse que as prisões ocorreram com o objetivo de "limpar as ruas e restaurar a ordem". Sobre a equipe de Jimenez, afirmou que "os três foram libertados quando foram confirmados como membros da mídia".

EUA imprensa Protestos

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.