ASSINE

"Me assustou muito", diz Bruno Schmidt sobre internação por Covid-19

Atleta capixaba passou 14 dias internado em um hospital de Vila Velha, sendo três na UTI, mas teve alta médica no domingo (28) e espera voltar logo às quadras

Publicado em 03/03/2021 às 20h41
Bruno Schmidt posa em casa após receber alta do hospital. Ele ficou internado por cinco dias na UTI com Covid-19
Bruno Schmidt posa em casa após receber alta do hospital. Ele ficou internado por quatro dias na UTI com Covid-19. Crédito: Reprodução/ Instagram Evandro e Bruno Schmidt

Atleta do vôlei de praia, o capixaba Bruno Schmidt sofreu com as consequências da infecção pelo coronavírus. A doença se agravou e ele chegou a ficar internado por 14 dias, sendo quatro na UTI, mas conseguiu se livrar do vírus e deixou o hospital em Vila Velha no último domingo (28). Agora, Bruno enfrenta uma nova batalha: se recuperar completamente para voltar às quadras.

Em entrevista à TV Gazeta nesta quarta-feira (3), Bruno falou sobre a recuperação e citou que os exames realizados após a alta médica não apontaram nenhuma sequela. Ele disse que se sente cada vez melhor e que conta os dias para poder voltar aos treinamentos e competições, rotina a qual está acostumado.

Bruno Schmidt
Bruno Schmidt é jogador de vôlei de praia. Crédito: CBV/DIvulgação

"Todos os exames mostraram que não ficou nenhuma sequela, os marcadores cardíacos, com relação à trombose, não apontaram nenhuma insuficiência respiratória que ainda permaneça, então me sinto cada dia mais normal e doido pra voltar à plenitude das minhas atividades, como de costume”, afirmou.

Bruno Schmidt

Atleta capixaba do vôlei de praia

"Foi tudo muito rápido, se agravou com bastante velocidade. Me assustou muito, chegou ao ponto de eu ter que ser internado na UTI e ficar monitorado 24 horas por dia lá"

Bruno foi medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, ao lado do também capixaba Alison, e está classificado para a edição de Tóquio, que será disputada entre julho e agosto deste ano de 2021. Ele contou que o avanço da doença foi muito rápido e que agora, recuperado, fará avaliações médicas para poder atuar no Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia como preparação para as Olimpíadas.

"As competições do Circuito Mundial estão meio incertas, por conta do momento de pandemia. As competições mais concretas que a gente tem são do Circuito Brasileiro, então a minha ideia é aproveitar as últimas etapas do Circuito Brasileiro, que vão ser nos próximos dois meses, para que eu possa participar delas e, daí pra frente, dar continuidade até os Jogos Olímpicos”, destacou.

"É UM CARA QUE SE CUIDA BASTANTE"

A dupla de Bruno nos Jogos Olímpicos do Japão será o carioca Evandro. O parceiro classificou o capixaba como uma pessoa regrada, que se cuida bastante e, por isso, revelou uma surpresa com a piora do estado de saúde de Bruno. Evandro também disse que espera que Bruno volte logo aos treinos para dar "puxões de orelha".

"Do nada, um cara que joga com você, seu parceiro, fica internado na UTI, isso é muito chato, muito triste. A única coisa que eu podia fazer era rezar. O Bruno é um cara que se cuida bastante, é um cara que tem a alimentação dele regradinha, não bebe… aí um atleta que se cuida e faz tudo direitinho vai pra UTI. São coisas que eu não consigo entender, mas graças a Deus ele já está melhor, em casa e em breve estará aqui puxando minha orelha, como sempre”, contou, alegre pela recuperação do parceiro.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Coronavírus Coronavírus no ES Covid-19 Esportes Vôlei de praia Pandemia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.