ASSINE

Pandemia de Covid-19 deixa pousadas vazias no Caparaó

O Circuito Caparaó Capixaba vai buscar linhas de crédito, inclusive junto ao setor público, para ajudar a superar a crise provocada pelo novo coronavírus

Publicado em 17/04/2020 às 10h45
Pandemia deixa pousadas vazias no Caparaó capixaba
Pandemia deixa pousadas vazias no Caparaó capixaba. Crédito: TV Gazeta Sul

As pousadas do Caparaó Capixaba estão vazias devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e os proprietários estão buscando alternativas para superar os prejuízos financeiros. A redução no movimento já chega a quase 100% e alguns estabelecimentos estão praticamente com as atividades interrompidas.

Em Guaçuí, uma pousada modificou a forma de trabalho para tentar superar pelo período difícil. “Devido à quarentena, tivemos como consequência a redução de 98% do nosso movimento. Estamos procurando estratégias para que a perda não seja demasiada, aproveitando o tempo para algumas manutenções necessárias, adiantamos férias de alguns colaboradores e estamos trabalhando com o serviço delivery no restaurante”, explicou o proprietário Luiz Antonio de Paulo.

Pandemia deixa pousadas vazias no Caparaó capixaba
Pandemia deixa pousadas vazias no Caparaó capixaba. Crédito: TV Gazeta Sul

Em Pedra Menina, no município de Dores do Rio Preto, um estabelecimento que está sem faturamento há quase 30 dias, está oferecendo desconto para o cliente fechar uma estadia neste mês e se hospedar após o período de isolamento social.

“Nosso prejuízo realmente é muito grande. A pousada tem quase 30 dias que está sem faturamento nenhum e vai permanecer até que a ordem seja dada para voltar. Então, para minimizar um pouco essa perda, estamos fazendo um desconto de 30% para pagamento no mês de abril e escolher uma data para usufruir dela no decorrer do ano de 2020”, disse José Carlos Thiebaut, que é dono da pousada.

Além das medidas internas, os proprietários de hotéis e pousadas vão buscar uma ajuda extra para superar a grande queda na arrecadação. Segundo presidente do Circuito Caparaó Capixaba, que é formado por pousadas e restaurantes dos municípios de Dores do Rio Preto, Divino de São Lourenço e Guaçuí, Marcelo Sanglard, as dificuldades financeiras no setor começaram em janeiro.

“Através de uma parceria com o Sebrae, nós estamos pleiteando junto aos bancos uma linha de crédito específica, porque que tem muito investimento privado feito na região e o retorno está sendo zero. No momento, estamos com problema de fluxo de caixa em todas as empresas do setor e precisamos de alongar prazos e de umas linhas mais atraentes. É nessa hora que o setor público precisa de aparecer mais”, afirmou Marcelo.

ESPERANÇA VIVA

No entanto, mesmo diante de toda dificuldade econômica, o otimismo e a esperança por dias melhores continuam motivando o trabalho no Caparaó. “A região é muito linda. A gente não pode deixar que esse momento abale toda a beleza que é o Caparaó”, finalizou José Carlos.

Pandemia deixa pousadas vazias no Caparaó capixaba
Pandemia deixa pousadas vazias no Caparaó capixaba. Crédito: TV Gazeta Sul

A região do Caparaó capixaba é conhecida pelo acesso ao Pico da Bandeira e muito procurada pelas belezas naturais, como matas e cachoeiras, e pelo clima mais ameno. Só no Parque Nacional do Caparaó, que está fechado para visitação, passam por ano, cerca de 12 mil pessoas que circulam em toda redondeza.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.