ASSINE

Escolas podem adiar volta às aulas em Vargem Alta, diz prefeito

O prefeito João Altoé informou que o município depende da recuperação de estradas e da limpeza de duas escolas que foram afetadas pela forte chuva que atingiu o Sul do Espírito Santo na última sexta-feira (17)

Publicado em 23/01/2020 às 13h00
Escolas e veículos que transportam estudantes ficaram destruídos em Vargem Alta. Crédito: Fernando Madeira
Escolas e veículos que transportam estudantes ficaram destruídos em Vargem Alta. Crédito: Fernando Madeira

Os alunos das escolas Pedro Milaneze Altoé e Alzira Gomes, em Vargem Alta, no Sul do Espírito Santo, podem ter o início do ano letivo adiado após a forte chuva que atingiu município na última sexta-feira (17). As duas unidades foram afetadas e equipes tentam realizar a limpeza e reparos nas estruturas para garantir a volta às aulas.

Segundo o prefeito de Vargem Alta, João Altoé, essas escolas ficam próximas ao Rio Fruteiras e Rio Novo, e as águas entraram com muita lama, principalmente na Escola Alzira Gomes, onde o nível da água ficou bastante alto.

“Nossos professores, diretores, pedagogos e vários outros voluntários estão tentando limpar e recuperar tudo para ver se conseguimos liberar essas escolas para o início das aulas, no dia 4 de fevereiro. No entanto, talvez tenhamos que prorrogar o início das aulas nessas escolas. No restante das unidades, a volta às aulas será normal”, afirma.

CONFIRA A SITUAÇÃO DAS ESCOLAS

Sobre as estradas que estão interrompidas por quedas de pontes e deslizamentos de terra, e que podem impedir a passagem do transporte escolar, Altoé disse que está com equipes atuando em algumas localidades e que com o maquinário que irá chegar para trabalhar no município, os ônibus conseguirão buscar os alunos.

“Quero acreditar que até dia 4, início das aulas, já teremos o acesso às comunidades recuperado e que conseguiremos levar os alunos para a escola. Se ficar algum lugar ainda interrompido, o transporte vai ter que ir até um lado, dar a volta e ir até o outro limite. Mas estamos trabalhando bastante e alguns acessos já foram liberados. Também iremos receber máquinas do governo do Estado para dar um retorno ainda mais rápido a essas localidades”, explica o prefeito.

Entre as áreas afetadas em Vargem alta, está um depósito onde estavam estacionados os ônibus utilizados no transporte escolar, mas, de acordo com o prefeito, não houve perda de veículos, apenas alguns reparos precisam ser feitos. “Como era período de férias, os ônibus estavam ali para manutenção, junto a outros carros e caminhões. Todos foram atingidos, mas estamos recuperando porque não foi perda total. Os ônibus estarão prontos até dia 4, porque não tivemos a perda de veículos”

Altoé ressaltou ainda que apesar de todo o trabalho de recuperação no município, ainda serão necessários meses para que tudo volte à normalidade. “Já estamos fazendo muita coisa, mas essa missão é bem árdua, não vai ser fácil. Para restabelecer o normal, acredito que vamos levar cerca de quatro a cinco meses”.

VEJA VÍDEO DE DANOS A ÔNIBUS

OUTROS PRÉDIOS PÚBLICOS AFETADOS

Além das escolas, em Vargem Alta a prefeitura foi uma das mais atingidas, com a perda de muitos equipamentos e processos impressos. Um ginásio de esportes, a casa de passagem, o Centro de Referência de Assistência Social (Cras), o Centro Especializado de Assistência Social (Creas) e o lar de idosos também foram atingidos pela enchente.

“Graças a Deus, tivemos uma boa notícia e conseguimos salvar o servidor onde ficam armazenados os processos da prefeitura, então vamos conseguir restabelecer. Vamos ter dificuldades porque alguns documentos estão sem condição nenhuma de recuperar, mas vamos reorganizar”, disse.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.