ASSINE

As declarações e atitudes equivocadas de Bolsonaro sobre o coronavírus

Desde que começaram a surgir casos no Brasil, presidente nega gravidade da pandemia e trata como exageradas medidas  de outras autoridades. Médicos comentam equívocos com relação à saúde pública nas falas de Bolsonaro

Publicado em 19/03/2020 às 15h58
Atualizado em 23/03/2020 às 19h03
Presidente Jair Bolsonaro em entrevista coletiva em que falou sobre coronavírus. Depois de minimizar o problema, ele apareceu até de máscara. Crédito: Carolina Antunes/PR
Presidente Jair Bolsonaro em entrevista coletiva em que falou sobre coronavírus. Depois de minimizar o problema, ele apareceu até de máscara. Crédito: Carolina Antunes/PR

Desde que o governo brasileiro confirmou o primeiro caso de infecção no país do coronavírus, no dia 4 de março, o presidente Jair Bolsonaro tem continuamente dado declarações avaliadas como inapropriadas ou contraditórias, sob o ponto de vista da saúde pública. Além das afirmações, ele próprio tomou atitudes que vão contra as recomendações de distanciamento social do Ministério da Saúde e de órgãos internacionais.

Em mais de uma oportunidade, tratou algumas medidas que estão sendo adotadas no exterior e por governadores no país como exageradas, e falou na existência de um clima de "histeria". A Gazeta procurou médicos especialistas em infectologia para esclarecer, do ponto de vista da saúde pública, se algumas posturas do presidente da República podem ser consideradas equivocadas.

CUMPRIMENTAR PESSOAS E TIRAR SELFIES

O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores em manifestação que critica o Congresso e o Supremo Tribunal Federal na frente do Palácio do Planalto, em Brasília (DF). Crédito: Pedro Ladeira/Folhapress
O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores em manifestação que critica o Congresso e o Supremo Tribunal Federal na frente do Palácio do Planalto, em Brasília (DF). Crédito: Pedro Ladeira/Folhapress

Ainda com supeita de coronavírus e orientado a ficar em isolamento até refazer testes, Jair Bolsonaro cumprimentou apoiadores, tirou selfies e chegou a colar o rosto ao de apoiadores para fazer fotos, em frente ao Palácio do Planalto, enquanto ocorriam manifestações do dia 15 de março.

Em resposta, às críticas, ele declarou:

em entrevista à Radio Bandeirantes, 

em 16 de março.

"Se eu resolvi apertar a mão do povo, desculpe aqui, eu não convoquei o povo para ir às ruas, isso é um direito meu. Afinal de contas, eu vim do povo. Eu venho do povo brasileiro"

Na avaliação da infectologista Rúbia Miossi, a atitude do presidente foi imprudente. "Ele já tinha orientado no pronunciamento nacional a população a não comparecer. Se ele fala para as pessoas não irem, mas vai, é incorreto. Ele deveria ter cumprido o que as autoridades sanitárias orientaram. Não é porque é o presidente que pode agir da maneira que ele quiser. Assim como ele, qualquer liderança que tivesse tomado essa atitude estaria errada."

NEGAR POSSÍVEL DISSEMINAÇÃO DO VÍRUS

No último dia 15, data da manifestação, cinco pessoas que viajaram com o presidente para os Estados Unidos fizeram os exames e já tinham descoberto que pegaram coronavírus. Mesmo que seu exame tenha dado negativo, médicos e autoridades ligadas ao governo recomendaram que ele evitasse contato com aglomerações.

em entrevista à Radio Bandeirantes,

em 16 de março.

"Nós estamos em uma briga pelo poder e vou ser fiel àquilo que eu sempre tive com a população brasileira. Não dá para querer jogar nas minhas costas uma possível disseminação do vírus"

O professor da Ufes Crispim Cerutti frisou que atitudes como a do presidente têm sim um risco real. "O fato de você se deixar envolver em qualquer contato físico nessa época é temerário, principalmente tratando-se de alguém com suspeita de estar infectado, como o presidente. Isso coloca as pessoas em vulnerabilidade, anda na contramão do que recomendam as autoridades. A nossa responsabilidade é evitar o contato físico o máximo possível. É melhor que se comece a tomar providências agora, do que depois, quando o país não suportar dar assistência médica".

"Se eu trabalho em equipe, tenho que seguir o que a equipe define. Se a orientação é seguir um distanciamento social para evitar que o vírus se dissemine, é o que deve ser feito. Principalmente os cargos de liderança, pois suas condutas inspiram a população", concordou a infectologista Jacqueline Rueda, professora da UVV.

ISOLAMENTO É EXAGERADO

Presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, usaram máscaras cirúrgicas em live no Facebook. Crédito: Reprodução/Facebook
Presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, usaram máscaras cirúrgicas em live no Facebook. Crédito: Reprodução/Facebook

Bolsonaro comentou sobre as medidas que diferentes governadores adotaram nos últimos dias para diminuir a circulação de pessoas em seus estados, numa tentativa de reduzir a velocidade de disseminação do vírus.

afirmou à rádio Super Tupi,

em 17 de março. 

"Tem alguns governadores, no meu entender, que estão tomando medidas que vão prejudicar e muito a nossa economia. A vida continua, não tem que ter histeria. Não é porque tem uma aglomeração de pessoas aqui e acolá esporadicamente [que] tem que ser atacado exatamente isso. [É] tirar a histeria. Agora, o que acontece? Prejudica"

A médica Jacqueline Rueda pontuou que qualquer tipo de aglomeração tem o potencial de disseminar o coronavírus. "Estamos em um momento que sabemos que o vírus tem alta contagiosidade, que quanto mais pessoas circulando, maior será o risco de contaminação. O perigo de eu me contaminar ocorre em qualquer ambiente, mas o risco é maior em locais em que ocorre aglomeração. É importante entender e diferenciar o perigo e o risco", explicou.

FESTINHA DE ANIVERSÁRIO

Presidente da República, Jair Bolsonaro, e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, fazem aniversário nos próximos dias. Crédito: Marcos Corrêa/PR
Presidente da República, Jair Bolsonaro, e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, fazem aniversário nos próximos dias. Crédito: Marcos Corrêa/PR

Em entrevista a uma rádio, Bolsonaro afirmou fará uma "festinha tradicional" para celebrar seus 65 anos, completados neste sábado dia 21, mesmo com todas as recomendações de que as pessoas evitem contato físico.

afirmou à rádio Super Tupi,

em 17 de março.

"Vai ter uma festinha tradicional aqui. Até porque eu faço aniversário dia 21 e minha esposa dia 22. São dois dias de festa aqui. Emenda, dia 21, próximo de meia-noite ela me cumprimenta; logo depois eu a cumprimento"

Pequenas festinhas, mesmo que em casa e com grupos pequenos e familiares, também devem ser evitadas neste período de combate ao coronavírus, reforçou a infectologista Rúbia Miossi. "Não é o momento para as pessoas fazerem festinhas, qualquer que seja o cunho. Estamos pedindo para desmarcarem festas. Não é hora de juntar pessoas, crianças, de fazer visitas aos amigos e parentes. É hora de cada um ficar na sua casa, para que a gente consiga evitar que esse vírus se espalhe de forma rápida."

O professor Crispim Cerutti endossou a recomendação. "A probabilidade de contato físico nesses eventos é grande. Não é hora de festa, temos que guardar as comemorações para quando superarmos essa fase. É hora de proteger os vulneráveis. Todo encontro que puder ser evitado ou adiado, deve assim ser feito".

"É SÓ MAIS UM VÍRUS"

Presidente Jair Bolsonaro aponta a existência de outros vírus no Brasil. Crédito: Folhapress
Presidente Jair Bolsonaro aponta a existência de outros vírus no Brasil. Crédito: Folhapress

Bolsonaro já deu declarações relativizando os riscos do coronavírus, pelo fato de que a população já convive com outros vírus que afeitam o sistema respiratório de forma grave, como a gripe.

em entrevista no Palácio do Alvorada, 

em 11 de março.

"O que eu vi até o momento é que outras gripes mataram mais do que essa [do coronavírus]. Assim como uma gripe, outra qualquer, leva a óbito"

Médicos infectologistas consideram que esta é uma visão equivocada. "Quando olhamos em números absolutos, a gripe comum pode matar mais, mas contamina menos. A infecção por coronavírus, por contaminar mais, faz com que o número de pessoas que vão precisar de assistência ou ir a óbito seja maior. A questão não é só a letalidade, é a alta contagiosidade", explica a médica Jacqueline Rueda.

O professor da Ufes Crispim Cerutti complementa: "A última doença respiratória que matou mais que essa foi a gripe espanhola, de 1918. De lá para cá, nenhuma chegou perto. O vírus influenza (gripe) sazonal tem um percentual de óbito de 1%. O coronavírus chega a mais de 3%, e nos grupos vulneráveis, a 15%. É um problema grave."

HISTERIA E NEUROSE

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, utilizam álcool em gel. Crédito: Carolina Antunes
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, utilizam álcool em gel. Crédito: Carolina Antunes

Nos últimos dias, em diversas oportunidades Bolsonaro afirmou que o coronavírus não deve ser motivo de histeria. Nesta quarta-feira (18), em entrevista coletiva, reafirmou este posicionamento.

disse em entrevista coletiva, 

em 18 de março.

"O problema é grave, preocupante, mas não chega ao ponto da histeria. Já tivemos problemas mais graves no passado [referindo-se à H1N1] e não teve essa comoção nacional"

afirmou em entrevista à CNN Brasil,

em 15 de março.

"Muitos pegarão isso independente dos cuidados que tomem. Isso vai acontecer mais cedo ou mais tarde. Devemos respeitar, tomar as medidas sanitárias cabíveis, mas não podemos entrar numa neurose, como se fosse o fim do mundo"

A infectologista Rúbia Miossi avalia que as medidas drásticas contra o coronavírus estão de acordo com a gravidade que a pandemia pode atingir.

"Essa classificação como 'histeria' também foi feita por outros presidentes, como Donald Trump, e eles tiveram que voltar atrás nessa declaração. O que a gente quer, com esse pedido de manter as pessoas em casa, é evitar que a gente chegue a uma situação como a da Itália. As pessoas devem ficar em casa, em especial os idosos. Já é o momento deles se recolherem e não saírem mais, e isso não é histeria nem pânico. Essas informações que as autoridades em saúde estão passando têm base científica. Pânico e histeria são as informações falsas que estão sendo repassadas, pessoas estocando comida, e outras atitudes".

DILUIR A CONTAMINAÇÃO

Em entrevista, o presidente afirmou que o Brasil só estará livre do vírus quando um certo número de pessoas for infectado e criar anticorpos, que passam a ser barreira para não infectar quem não foi infectado ainda. Para isso, o ideal seria diluir a incidência do vírus ao longo do tempo.

em entrevista à rádio Tupi, 

em 17 de março.

"Como [o vírus] está vindo, tem que ser diluído. Em vez de uma parte da população ser infectada num período de dois, três meses, que seja entre seis, sete, oito meses. Porque havendo um pico de pessoas com problema, e geralmente ataca quem tem mais idade ou quem tem algum tipo de problema de saúde, aí passa a ser mais grave"

O infectologista Crispim Cerutti faz ponderações a esta afirmação.

"Esse raciocínio não funciona, porque o vírus é um organismo que se multiplica. Onde ele acha campo para penetrar e se multiplicar, ele vai fazer isso. Ele cresce exponencialmente. Deixando correr solto, ele vai ser um problema crescente, como um fermento no bolo, que você não consegue conter depois. O raciocínio do presidente é equivocado, porque parte da premissa que o vírus é algo limitado, mas não é, ele vai aumentando progressivamente. A partir do momento que você tem o vírus, transmite ele para mais 3 pessoas", esclareceu.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.