ASSINE

Polícia encontra carro de taxista morto em Itapemirim

O veículo estava sem os adesivos de identificação de táxi em Cachoeiro de Itapemirim, na Região Sul do Espírito Santo

Cachoeiro de Itapemirim / Rede Gazeta
Publicado em 25/03/2021 às 12h15
Edílio Santana, de 66 anos, estava desaparecido desde sábado (20) e foi encontrado, nesta terça-feira (23), no meio de um canavial
Taxista de Marataízes é encontrado morto em Itapemirim. Crédito: Arquivo pessoal

Polícia Civil localizou, na tarde desta quarta-feira (24), o carro do taxista que foi encontrado morto um dia antes, em Itapemirim, no Sul do Espírito Santo. O veículo estava em Cachoeiro de Itapemirim, sem os adesivos de identificação de táxi.

De acordo com o delegado Edson Lopes, o carro estava em via pública e os policiais localizaram após uma denúncia anônima. O veículo já passou por uma perícia e está à disposição da família do taxista.

O delegado disse ainda que a investigação segue sob sigilo. O taxista Edílio Santana, de 66 anos, era morador de Marataízes, estava desaparecido desde o último sábado (20), e foi encontrado morto na tarde desta terça-feira (23), no meio de um canavial na localidade de Campo Acima.

Edílio Santana, de 66 anos, estava desaparecido desde sábado (20) e foi encontrado, nesta terça-feira (23), no meio de um canavial
Taxista de Marataízes é encontrado morto em Itapemirim. Crédito: Arquivo pessoal

Segundo Marcello Marcarini, que é neto da esposa do taxista, ele saiu de casa no sábado de madrugada para fazer uma corrida, mas a família não sabe quem acionou a corrida, nem o destino.

Como não conseguiram fazer contato com ele, registraram boletim na Polícia Civil no mesmo dia. O corpo de Edílio foi encontrado por um morador da região, que acionou a polícia. Já o carro do taxista, ainda não foi localizado na ocasião.

Ainda de acordo com Marcello, Edílio estava aposentado há pouco tempo e já havia diminuído a quantidade de corridas, inclusive não estava trabalhando a noite, por isso, eles acreditam que essa corrida tenha sido para uma pessoa conhecida.

“Tínhamos a esperança de que ele fosse encontrado vivo. Ele era uma pessoa boa, simples, trabalhadora, sempre honesto e tinha acabado de aposentar”, disse Marcello. A família ainda não sabe a causa da morte.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.