ASSINE

Operação desmonta quadrilha que roubava madeiras no Norte do ES

Quatro pessoas foram presas suspeitas de atearem fogo em veículos e de atirarem contra funcionários de empresa de celulose. Material roubado da companhia era transportado para fabricação de carvão

Tempo de leitura: 2min
Colatina
Publicado em 11/02/2022 às 19h55

Uma força-tarefa realizada na Região Norte do Espírito Santo desarticulou uma organização criminosa responsável por furto e roubo de madeira, queimadas, invasão de terra, ataques a veículos e tentativas de homicídio. Os criminosos atuavam nos municípios de JaguaréSão MateusConceição da BarraPinheirosBoa Esperança e Montanha. Ao todo, quatro suspeitos foram presos, e dois estão foragidos. Foram apreendidas 31 toneladas de carvão fabricado com a madeira furtada, além de oito veículos e quatro armas de fogo.

As fiscalizações aconteciam desde  27 de dezembro do ano passado, mas os resultados da operação foram divulgados somente na tarde desta sexta-feira (11). A ação da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Espírito Santo (Sesp) contou com o apoio da Polícia MilitarPolícia Civil, Secretaria de Estado da Fazenda, Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Núcleo de Operações em Transporte Aéreo (NOTAer).

De acordo com a Sesp, a organização criminosa atuava roubando madeira de uma empresa de celulose. O material era furtado diretamente do plantio ou de pilhas deixadas para secagem. As madeiras eram transportadas por caminhões clandestinos, com destino à fabricação de carvão, para abastecer secadoras de café e pimenta.

O secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, coronel Alexandre Ramalho, afirmou que os prejuízos causados pelos criminosos afetam não só a empresa roubada. “O prejuízo era não só para a região como também para todo o Estado, pela sonegação, já que esse material passava despercebido pela fiscalização, trazendo sérios transtornos para a Região Norte, uma área muito sensível onde vivem quilombolas que eram ameaçados, sofriam violência com essa organização, e eram uma mão de obra usada sem a devida remuneração”, ressaltou.

Os quatro presos, que  não tiveram os nomes divulgados, são suspeitos de participarem também de um ataque a uma empresa de celulose da região.

“É uma associação criminosa. As quatro pessoas presas, em retaliação a uma operação em que um caminhão foi apreendido, pararam as atividades da empresa por uma semana. Vigilantes de segurança da empresa foram recebidos a tiros, e veículos da empresa foram atacados. Mais pessoas ainda podem ser presas”, afirmou o delegado da Polícia Civil Alysson Pereira.

Criminosos atacaram veículos de uma empresa de celulose

Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose. Divulgação SESP
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose. Divulgação SESP
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose. Divulgação SESP
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose. Divulgação SESP
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose
Criminosos atearam veículos de uma empresa de celulose

Nos municípios que foram fiscalizados, seis estabelecimentos tiveram as atividades suspensas por irregularidades. A operação também resultou em um total de R$ 22 mil em multas aplicadas. Sete inquéritos policiais foram instaurados e outros seis  serão abertos  para investigar os crimes cometidos na região, de acordo com a Sesp.

Além dos dois homens foragidos, outras pessoas com envolvimento na organização ainda são investigadas e podem ser presas, segundo a Polícia Civil.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.