ASSINE

Auxílio de R$ 600: delegado do ES ensina a checar se link na internet é golpe

O delegado Brenno Andrade, titular da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos, alerta para a necessidade de se identificar quais links enviados por redes sociais são falsos e quais são verdadeiros

Publicado em 09/04/2020 às 09h59
Delegado Brenno Andrade. 06/03/2019
Delegado Brenno Andrade. 06/03/2019. Crédito: Arquivo/AG

Com criminosos se aproveitando do auxílio emergencial de R$ 600, anunciado pelo governo federal, para tentar aplicar o golpe do falso cadastro, o delegado Brenno Andrade, titular da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos, alerta para a necessidade de se identificar os links enviados por redes sociais que são falsos e quais são verdadeiros.

Desde março, em todo o país, mais de 6,7 milhões de pessoas já caíram em algum dos golpes do chamado "coronavoucher" , segundo o DFNDR Lab – laboratório especializado em segurança digital da PSafe. Os criminosos utilizam o auxílio de R$ 600, aprovado no dia 30 de março pelo Senado Federal, para chamar a atenção das pessoas. A partir de mensagens compartilhadas pelo WhatsApp, os golpistas enviam links maliciosos que, ao serem acessados, podem roubar dados pessoais e bancários das vítimas.

"Desconfie sempre. Os bandidos vão colocar mensagens como se fosse da Caixa Econômica Federal, vão botar até logomarca da Caixa. Nunca clique, até mesmo se receber dos seus amigos. Sempre procure por fontes governamentais, que no caso é a própria Caixa", alertou o delegado, em entrevista ao Bom dia ES, da TV Gazeta.

O delegado deu dicas para ajudar o cidadão a fugir desses golpes. Confira:

Este vídeo pode te interessar

  1. 01

    Desconfie sempre

    Os criminosos criam mensagens como se fossem da Caixa Econômica Federal (CEF) e chegam a utilizar até a logomarca do banco. A recomendação é para não clicar mesmo que sejam mensagens enviadas por amigos e parentes.

  2. 02

    Procure fontes governamentais

    Antes de clicar nesses links, confirme as informações com fontes oficiais. No caso desse auxílio, o melhor canal de informação é a própria Caixa Econômica Federal

  3. 03

    Atenção aos endereços eletrônicos

    Geralmente, os links utilizados para aplicar golpes terminam com ".com". Já aqueles oficiais usam o "gov.br"

  4. 04

    Veja se o link é falso

    Uma dica do titular da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos, Brenno Andrade,  é colocar o link no site "Psafe", que vai verificar se ele é verdadeiro ou não.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.