ASSINE

Após 24 anos de espera, começa julgamento do caso Gabriela Chermont

A jovem morreu após cair do décimo segundo andar do Apart Hotel La Residence, um hotel na Mata da Praia, em Vitória, na madrugada de 21 de setembro de 1996. O ex-namorado dela, Luiz Cláudio Ferreira Sardenberg, é acusado pelo crime de homicídio

Publicado em 10/11/2020 às 12h40
Atualizado em 10/11/2020 às 23h43
Júri popular acontece em Vitória
Movimentação antes do julgamento do acusado de matar a jovem Gabriela Chermont, o réu Luiz Cláudio Ferreira Sardenberg. Crédito: Reprodução/ TV Gazeta

Após nove adiamentos e 24 anos de espera, teve início por volta das 9h15 desta terça-feira (10) o julgamento do acusado de matar a jovem Gabriela Chermont, o réu Luiz Cláudio Ferreira Sardenberg.

O júri popular acontece no Fórum Criminal de Vitória, na Cidade Alta. O caso, que tramita na Justiça há mais de duas décadas, foi adiado pela última vez no dia 28 de abril, em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

Sete jurados – quatro mulheres e três homens – foram sorteados para participar do julgamento e definir o destino do réu. A primeira testemunha ouvida foi a mãe de Gabriela, Eroteídes Chermont. "Hoje eu honro a memória da minha filha. Eu tenho certeza que a justiça será feita. Espero que não haja nenhuma mais procrastinação. São 24 anos de sofrimento", disse Eroteídes.

Em seguida, foram ouvidas uma amiga da vítima e o delegado que presidiu o caso.

De acordo com apuração da repórter Gabriela Ribeti, da TV Gazeta, por volta das 17h20 os jurados ouviam a quarta testemunha de acusação: um perito de São Paulo que avaliou os laudos feitos à época.

A previsão inicial era de que, por volta das 19h40, fosse ouvida a quinta e última testemunha de acusação, um psiquiatra forense, vindo de São Paulo. Entretanto, o depoimento dele ficou para amanhã.

Por volta das 20h50 foi encerrado o primeiro dia de julgamento do caso, que será retomado nesta quarta-feira (11), às 9h30. Na continuidade, deverão depor ainda uma testemunha da acusação e sete testemunhas trazidas pela defesa do réu.

O CASO

Gabriela morreu após cair do décimo segundo andar do Apart Hotel La Residence, um hotel na Mata da Praia, em Vitória, na madrugada de 21 de setembro de 1996. O ex-namorado da jovem, Luiz Cláudio Ferreira Sardenberg, é acusado pelo crime de homicídio. A defesa do empresário, no entanto, alega que a vítima cometeu suicídio. Segundo o processo, a jovem e o empresário, Luiz Claudio, teriam rompido o relacionamento e, por indicação de colegas de faculdade, ela teria passado a conhecer outro rapaz.

Em uma das situações em que teriam saído juntos, para um bar na Praia da Costa, amigos do ex-namorado teriam visto e contado para ele. Nesta situação, o denunciado pelo crime teria passado a fazer ligações telefônicas para Gabriela, até que teriam combinado um encontro na noite de 20 de setembro de 1996. Testemunhas nos autos do processo relatam que o ex-casal se dirigiu a um bar em Jardim da Penha e que depois foram ao Apart Hotel, onde ficaram hospedados no apartamento de número 1.204.

Gabriela Chermont morreu na madrugada de 21 de setembro de 1996
Gabriela Chermont morreu na madrugada de 21 de setembro de 1996. Crédito: Arquivo da família

Luiz Claudio, a partir daí, afirma que os dois mantiveram relações sexuais, enquanto a defesa da família da vítima alega que não e que, em vez disso, teriam ocorrido diversas agressões, causando inclusive quebras de dentes e escoriações na lombar de Gabriela, desencadeando, por fim, no arrastamento e projeção da vítima pela sacada. Um exame toxicológico realizado à época identificou que o comerciante teria feito uso de cocaína, ao contrário da alegação dele, no sentido de ter tomado apenas cerveja.

Por nota, a defesa do réu afirmou que há depoimentos e laudos técnicos que apontam para o fato de que Gabriela Chermont cometeu suicídio.

"Acreditamos que o julgamento, após tantos anos, vai acabar com o sofrimento na vida de duas famílias, trazendo a verdade.  Luiz Cláudio Ferreira Sardenberg é inocente e espera por esse julgamento há mais de duas décadas", declarou.

A defesa diz que o laudo médico que consta dos autos "aponta que a vítima morreu de politraumatismo, em consequência do impacto violento da queda do 12º andar do prédio, em movimento  causado pela própria vítima". Segundo a defesa, a perícia mostra que não houve luta corporal, nem vestígios de sangue no apartamento atestado pelo exame de DNA.

Justiça Polícia Civil Vitória (ES) homicídio Jurídico

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.