ASSINE

Agente do Iases é preso no ES suspeito de vender armas no mercado ilegal

Segundo a investigação, homem adquiriu quatro pistolas, aproveitando a abertura para a compra de armas de fogo no país, e as revendeu

Linhares
Publicado em 01/09/2021 às 11h13
Agente do Iases é preso suspeito de vender armas no mercado ilegal no ES. Crédito: Eduardo Dias
Agente do Iases é preso suspeito de vender armas no mercado ilegal no ES. Crédito: Eduardo Dias

Um agente socioeducativo de 27 anos foi preso nesta quarta-feira (1º) em LinharesNorte do Espírito Santo, suspeito de comprar armas legalmente e vender no mercado ilegal. O homem trabalha no Instituto de Atendimento Socioeducativo (Iases) do município, que atua com medidas para adolescente em conflito com a Lei no Estado.

De acordo com o titular da 16ª Delegacia Regional de Linhares, delegado Fabrício Lucindo, a prisão do homem ocorreu dentro da Operação Estado Presente, realizada no município na manhã desta quarta-feira (1º).

Segundo as investigações, o homem comprou quatro pistolas no mercado legal, aproveitando a abertura para a compra de armas de fogo no país, e as revendeu no mercado da criminalidade. A polícia foi até a casa dele, e as armas não foram encontradas.

“Ele vai ser interrogado e vai ter que indicar onde ele vendeu essas armas”, frisou Lucindo.

“Ele está sendo investigado por ter comprado armas no sistema legal, porque houve uma abertura muito grande para a compra de armas de fogo, então ele aproveitou essa liberação para comprar armas de forma legal e revender no mercado negro”, explicou o delegado.

VALOR DAS ARMAS É MAIOR NO MERCADO ILEGAL

Ainda de acordo com o delegado, o valor das armas é maior no mercado ilegal. Uma comprada no mercado legal pode custar de R$ 3.500 a R$ 4.000, já na criminalidade, pode chegar a mais de R$ 10 mil, segundo Lucindo.

ARMAS PODEM TER IDO PARA O MORRO DA PENHA

As investigações apontam que existem outros casos onde pessoas com o nome limpo compram armas para criminosos.

“Bandidos estão usando o nome de pessoas que têm o nome limpo na praça, sem passagem pela polícia, para se cadastrar e comprar armas junto ao sistema da Polícia Federal. Essas pessoas compram as armas e as lançam no mercado negro. Compram as armas legais e elas passam a ser ilegais”, afirma o delegado Fabrício Lucindo.

Fabrício Lucindo

Titular da 16ª Delegacia Regional de Linhares

"Essas armas têm abastecido a criminalidade, tanto de Linhares como de Vitória. Nós temos indicativos de que essas armas estão indo parar, inclusive, no Morro da Penha"

OPERAÇÃO ESTADO PRESENTE

A prisão do agente ocorreu dentro da Operação Estado Presente, no Norte do Estado, e se dá em um momento da escalada da violência em Linhares. Na semana passada, houve uma onda de assassinatos, onde oito pessoas foram mortas em um período de seis dias.

Além do agente, a polícia prendeu duas pessoas suspeitas de envolvimento com o tráfico de drogas, duas por porte ilegal de arma e um homem suspeito de ter cometido um homicídio. Outros dois indivíduos foram presos em Sooretama e em Rio Bananal. Eles tinham um mandado de prisão em aberto por estupro.

O QUE DIZ O IASES

Por meio de nota, o Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (Iases) respondeu para a reportagem de A Gazeta que ainda não foi informado oficialmente sobre essa prisão.

"Assim que isso acontecer, será instaurado um procedimento administrativo pela Corregedoria do Instituto para averiguar a conduta do agente", finalizou. 

*Com informações de Eduardo Dias, da TV Gazeta Norte

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.