Valor de reforma do Terminal de Itaparica é igual ao gasto na construção

Interditado desde julho de 2018, unidade deve passar por obras a partir do dia 30 de dezembro

Publicado em 20/12/2019 às 16h20
Atualizado em 21/12/2019 às 00h12
Terminal de Itaparica antes de ser inaugurado, em 2009. Crédito: Marcos Fernandez
Terminal de Itaparica antes de ser inaugurado, em 2009. Crédito: Marcos Fernandez

As obras do Terminal de Itaparica, em Vila Velha, devem começar no próximo dia 30 de dezembro. O custo estimado é de R$ 12 milhões. Interditado desde julho de 2018, quando um laudo divulgado pelo governo apontou que a cobertura corria risco de desabamento e que havia falhas no projeto e na execução, o terminal também havia custado R$ 12 milhões em sua construção — mesmo valor agora estimado para as obras de reparos.  Essa quantia também é superior ao previsto após a interdição, quando o governo avaliou custo de R$ 9 milhões para os reparos.

Segundo o Departamento de Edificações e Rodovias (DER), a empresa contratada IMG terá  12 meses para finalizar os serviços. O anúncio foi feito durante coletiva no Palácio Anchieta nesta sexta-feira (20), em Vitória, organizada pelo governador Renato Casagrande. "Vamos fazer um novo terminal, só manteremos a plataforma de circulação de pessoas. Faremos cobertura, iluminação, instalação elétrica, sanitários novos, reforma da pavimentação e pintura. É um outro terminal", afirmou Luiz César Amaretto, diretor do DER.

A cobertura contará com um recurso moderno chamado de lona tensionada, que é um modelo rápido de construção, já usado em estádios de futebol e circuitos esportivos no Brasil e na Europa. "Permite que o local tenha luminosidade suficiente durante o dia, temperatura agradável e conforto para o usuário", explicou Amaretto.

Ao ser questionado porque o terminal terá que ser refeito quase que completamente, o direito do DER respondeu. "Tem que perguntar para o governo anterior. Temos que fazer tudo de novo, pois tiraram o telhado", disse Luiz César Amaretto. 

A empresa contratada terá 12 meses para completar a obra. No entanto, o governo acredita que em oito meses ele já esteja funcionando parcialmente.  O local terá também dois acessos, tanto pela Rodovia Darly Santos quando pela Rodovia do Sol. 

Desde a interdição do terminal, em 2018, cerca de 45 mil passageiros de 33 linhas que operavam lá foram remanejados para os terminais de Vila Velha e do Ibes.  

"Pegamos uma situação sem solução e estamos terminando o ano sem uma ordem de serviço. Tivemos que elaborar uma proposta que permitisse uma construção mais rápida, permitindo que o terminal  funcione já em 2020, mesmo que ainda não totalmente terminando. O objetivo é diminuir o prejuízo e o transtorno que muitas pessoas sofreram com a parada do terminal", disse Casagrande.

ônibus renato casagrande vila velha

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.