ASSINE

Pandemia de coronavírus: o que muda no Brasil e no Espírito Santo?

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou uma pandemia de coronavírus. Mas, afinal, o que isso muda para a gente?

Publicado em 11/03/2020 às 20h07
Atualizado em 12/03/2020 às 14h53
Coronavírus. Crédito: geralt | Pixabay
Coronavírus. Crédito: geralt | Pixabay

A Organização Mundial da Saúde declarou, nesta quarta-feira (11), que o novo coronavírus  passou do estágio de epidemia para  pandemia. Mas o que isso significa em termos práticos para os brasileiros?  

A epidemia é quando uma doença está centralizada em uma região, segundo explicou Luiz Carlos Reblin, que coordenador  do Centro de Operações Estratégicas da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa).  

"Já a pandemia é quando o vírus circula por todo o planeta, ou seja, há registros em todos os continentes. O que isso muda? Efetivamente, não muita coisa, pois continuamos a investigar casos de pessoas com sintomas ou que viajaram para o exterior, ou possuem vínculo com pessoas que viajaram", explicou Reblin.

Este vídeo pode te interessar

Para o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a organização demorou a reconhecer o cenário. "Teimaram comigo. Falei: é uma pandemia, e desde a semana passada o Brasil já trata como pandemia. Se você tem uma transmissão sustentada em tantos países, como vou ficar procurando país por país, quem veio de onde? Isso pelo menos três semanas atrás já era impraticável pelos sistemas de saúde", afirmou.

Segundo ele, com a declaração de pandemia, a ideia é que o país passe a usar como critério para identificar casos a ocorrência de sintomas e histórico de viagem internacional, além do contato com casos confirmados.

Até então, o Brasil considerava para essa análise a ocorrência de febre e outros sintomas e histórico de viagem a países da América do Norte, Europa e Ásia, além de Equador, Argélia e Austrália. Agora, todos os países entram na lista, afirmou o ministro na comissão geral no Congresso Nacional.

Luzi Carlos Reblin afirmou que independente da nomenclatura o protocolo de identificação de casos continua, assim como demais serviços de saúde para contenção da doença. "A ação do governo não muda", pontuou

Nas últimas duas semanas, segundo a OMS, o número de casos fora da China aumentou 13 vezes e o número de países afetados triplicou. São mais de 118 mil casos ao redor do mundo e 4.291 mortes.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde SESA Coronavírus OMS Coronavírus no ES

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.