Vendas de materiais de construção e alimentos ajudam comércio no ES

Pesquisa do IBGE mostra que esses setores são os únicos que têm conseguido crescer em meio à pandemia

Publicado em 10/09/2020 às 11h19
Atualizado em 10/09/2020 às 11h19
Loja de material de construção Vimercati, em Itapoã. O Governo do Estado permitiu a abertura de mais alguns segmentos de comércio. Dentro eles está o de material de construção
Comércio de material de construção tem apresentado crescimento na pandemia. Crédito: Carlos Alberto Silva

Os setores de alimentos, de material de construção e de artigos farmacêuticos têm contribuído para manter o consumo em alta no Estado em meio à pandemia do coronavírus. No entanto, a crise causada pela nova doença tem atingido de forma mais agressiva outros segmentos do varejo.

Essas empresas, mesmo com a flexibilização das medidas de isolamento social e com a liberação para a reabertura, não conseguiram recuperar as perdas e ainda amargam contração nos negócios.

Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as vendas no Espírito Santo tiveram crescimento de 0,7% em julho. O resultado ficou abaixo da média nacional, que avançou 5,2%, de acordo com o levantamento divulgado nesta quinta-feira (10).

Em comparação com o julho do ano passado, período pré-pandemia, o desempenho do varejo capixaba apresentou alta de 8,7%, de acordo com o levantamento. No acumulado do ano, devido ao período de isolamento social, que levou ao fechamento de lojas, o setor ficou com estabilidade.

Apesar da melhoria do cenário, os dados do IBGE mostram que apenas as vendas das lojas de materiais de construção, supermercados e de artigos farmacêuticos conseguiram ter resultado positivo.

Em julho, a alta foi de 11,7% em relação ao sétimo mês de 2019, no segmento de alimentos. Já as receitas das drogarias conseguiram crescer apenas 3,6% no período. O destaque ficou com a venda de material de construção, que aumentou 36,8%.

O pior resultado, de acordo com a pesquisa, é do segmento de livros, jornais e revistas, que teve queda de 25,8%. Também foram registradas retrações no faturamento do setor de combustíveis e lubrificantes (-19,2%), artigos de uso pessoal (-18%), tecidos e vestuário (15), equipamentos para material para escritório (-10,6%) e móveis e eletrodomésticos (-2,8%).

Comércio

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.