ASSINE

Samarco alcança produção de 4,4 milhões de toneladas de minério ferro e pelotas

Em sete meses após a retomada da produção, a mineradora embarcou 47 navios no Porto de Ubu, em Anchieta. Empresa também anunciou aval da Justiça para obter financiamento de US$ 225 milhões

Publicado em 03/08/2021 às 18h14
Complexo de Ubu em Anchieta, no Espírito Santo, onde a Samarco realiza pelotização e exportação
Complexo de Ubu em Anchieta, no Espírito Santo, onde a Samarco realiza pelotização e exportação. Crédito: Jefferson Rocio/Samarco

Sete meses após a retomada parcial da produção, em dezembro de 2020, a Samarco atingiu em julho o volume de 4,4 milhões de toneladas de minério de ferro e pelotas produzidas, que foram embarcadas em 47 navios com destino a vários países através do Porto de Ubu, em Anchieta, no Espírito Santo.

O resultado foi divulgado nesta terça-feira (3) e alcançado após a empresa reiniciar as atividades de uma nova forma. A samarco passou a extrair minério usando um sistema de filtragem de rejeitos que possibilita seu empilhamento a seco, sem a necessidade do uso de barragens. Graças a isso, a empresa retomou 26% da capacidade produtiva.

A retomada total está prevista para acontecer de forma gradual até 2030, sendo que a empresa também pela frente ainda o processo de recuperação judicial, iniciado em abril na Justiça de Minas Gerais. A ação foi adotada para proteger a empresa contra ações de credores do mercado financeiro internacional, os chamados "fundos abutres". que pressionam pelos pagamentos.

Na semana passada, a empresa obteve a aprovação da Justiça mineira para obter financiamento no valor de US$ 225 milhões, por meio de um mecanismo conhecido como DIP Financing – específico para empresas em situação de recuperação judicial.

A autorização para o empréstimo foi dada pela 2ª Vara Empresarial de Belo Horizonte, que reconheceu a necessidade da empresa por recursos que garantam sustentação das suas operações ao longo do processo de recuperação judicial.

O gerente geral comercial e de marketing da empresa, Renato Pereira, ressaltou que a Samarco retomou as operações de uma forma diferente e que o caminho até a ampliação da capacidade foi traçado considerando o novo modelo de produção e o cumprimento das suas obrigações no campo social e ambiental, com foco na segurança e sustentabilidade de suas operações.

“A Samarco se empenhou ao longo dos últimos anos em um projeto que chamamos de prontidão operacional, que possibilitou a verificação de todos os processos produtivos e corporativos para garantir um retorno seguro e estruturado. Nosso foco é produzir com segurança”, afirmou.

Ainda segundo Pereira, “mesmo durante os cinco anos em que estivemos com as operações paralisadas, seguimos mantendo relacionamento estreito com nossos clientes, o que também contribuiu para o nosso retorno de maneira estruturada. A retomada das operações é uma conquista para todos nós e fruto de muito esforço e dedicação, o que nos possibilitou dar este importante passo. Estamos atualmente operando com 26% da capacidade e outros passos serão necessários até atingirmos a capacidade plena, mas queremos dar um passo de cada vez”, afirmou.

* Com informações da Samarco

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Anchieta Samarco Negócios Recuperação judicial

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.