ASSINE

Protesto: petroleiros vendem gás a R$ 40 em frente à Petrobras em Vitória

Categoria está em greve há 19 dias e disponibilizou 200 vouchers para serem trocados por botijas na Reta da Penha, em Vitória

Publicado em 19/02/2020 às 10h50
Atualizado em 19/02/2020 às 11h25
Em protesto, petroleiros distribuem gás com desconto em frente à Petrobras. Crédito: Giordany Bozzato
Em protesto, petroleiros distribuem gás com desconto em frente à Petrobras. Crédito: Giordany Bozzato

Os representantes do Sindicato dos Petroleiros do Espírito Santo (Sindipetro) estão distribuindo 200 vouchers para compra de gás de cozinha a R$ 40 na Reta da Penha na manhã desta quarta-feira (19), em Vitória. A categoria está em greve há 19 dias e realizou a ação em forma de protesto.  

Na última segunda-feira (17), o Tribunal Superior do Trabalho (TST) considerou a greve ilegal, mesmo assim os profissionais mantiveram a paralisação. No Espírito Santoestão paradas as plataformas P-58 e P-57, além do Terminal Aquaviário de Barra do Riacho, Terminal Aquaviário de Vitória, Unidade de tratamento de Gás de Cacimbas e da Sede administrativa da Base 61, em São Mateus.

Em protesto, petroleiros distribuem gás com desconto em frente à Petrobras. Crédito: Giordany Bozzato
Em protesto, petroleiros distribuem gás com desconto em frente à Petrobras. Crédito: Giordany Bozzato

A greve dos petroleiros teve início no começo de fevereiro, depois que a Petrobras demitiu trabalhadores da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR). Nesta terça-feira (18), porém, o Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR) suspendeu a demissão.

"Hoje (quarta, 19), vai ter um conselho no Rio de Janeiro com as lideranças nacionais da greve. Nesse conselho, os trabalhadores vão decidir se damos um voto de confiança para a empresa, ou se vamos manter as paralisações", explicou Velten.

PROCURA POR BOTIJAS DE GÁS DESDE ÀS 6H30

As botijas de gás começaram a ser vendidas para a população às 8h, mas às 6h30 já havia gente na fila. "Acho essa forma de protesto muito boa. Cheguei a pagar R$ 80 numa botija recentemente, o que é um absurdo. Esse preço de R$ 40 deveria ser todo dia", disse a dona de casa Lilian Dantas, 43.

As pessoas primeiro pegam o voucher com os petroleiros e depois vão até um caminhão, em uma rua próxima, trocar pela botija, sob o pagamento dos R$ 40. 

De acordo com o diretor do Sindipetro Fábio Velten, as botijas foram compradas com a ajuda dos trabalhadores que estão em greve. "Cada um contribuiu com o que pode - tivemos até certa dificuldade em achar uma distribuidora para nos atender. Mas o importante é que estamos mostrando para a população a importância de manter uma Petrobras forte", comentou.

Quem também aproveitou o desconto foi a professora Aline Garcia, 31. "É importante a gente saber que é possível vender o gás num preço acessível para a população. Sou totalmente favorável ao protesto", disse.

A previsão é que os petroleiros fiquem até às 17h na distribuição de gás, enquanto houver botija.

A professora Aline Garcia, 31, comprou a botija de gás com desconto. Crédito: Giordany Bozzato
A professora Aline Garcia, 31, comprou a botija de gás com desconto. Crédito: Giordany Bozzato

PETROBRAS DIZ QUE GREVE É ILEGAL

Por meio de nota, a Petrobras reiterou que a greve não impactou a  produção de petróleo e de combustíveis. Segundo a empresa, nenhuma plataforma de produção, refinaria, unidade de processamento de gás natural ou térmica teve adesão total à paralisação irregular.

"As entidades sindicais estão descumprindo a decisão judicial de manutenção de 90% do efetivo necessário para manter a operação em condições de normalidade, mas a Petrobras tem mantido a produção por meio da atuação de equipes de contingência e de empregados que não aderiram ao movimento", informou a Petrobras.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Petrobras greve

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.