Dólar já é vendido a R$ 5,78 em casas de câmbio da Grande Vitória

Após queda de mais de 5% do Ibovespa na manhã desta segunda-feira (22), influenciada por desvalorização de ações da Petrobras, cotação da moeda americana disparou; segundo especialista, cenário é de aumento do risco-país

Publicado em 22/02/2021 às 13h24
Atualizado em 22/02/2021 às 14h11
Data: 13/03/2020 - ES - Vitória - Cédula de Real e Dólar- Editoria: Cidades - Foto: Ricardo Medeiros - GZ
Real está perdendo valor e já está acima de R$ 5,50 na versão comercial. Crédito: Ricardo Medeiros

A mudança no comando da Petrobras tem levado a queda de mais de 5% no Índice Ibovespa na manhã desta segunda-feira (22) e também empurrando o preço do dólar para cima. A moeda chegou a encostar em R$ 5,53 por volta das 11 horas, na cotação comercial.

Em casas de câmbio da Grande Vitória, o dinheiro dos EUA já é comercializado por até R$ 5,78, segundo levantamento feito pela reportagem de A Gazeta.

  • Casa de Câmbio A: R$ 5,78
  • Casas de Câmbio B e C: R$ 5,77
  • Casa de Câmbio D: R$ 5,76
  • Casa de Câmbio E: R$ 5,55, enquanto houver saldo

A alta da moeda norte-americana é uma reação a troca no comando da Petrobras feita de uma maneira que não agradou ao mercado. A preocupação é na mudança da política de preços e mesmo o represamento dos valores dos combustíveis.

O general Joaquim Silva e Luna foi escolhido para comandar a companhia na última sexta-feira (18). A informação foi divulgada nas redes sociais antes de ser comunicada ao mercado financeiro. Os papéis preferenciais (mais negociados) da Petrobras chegaram a ser comercializados a R$ 21,54 logo no início desta manhã.

Na última sexta-feira (19), após o anúncio do presidente, a Bolsa de Nova Iorque registrou queda de 15%. No pregão desta segunda (22), as ADRs (certificados de ações negociados no Estados Unidos) já registram queda de 16,41% em relação ao fechamento de sexta-feira, a US$ 8,40 cada, nas negociações antes da abertura do pregão.

A elevação do dólar, que havia encerrado a sexta (19) cotado a R$ 5,38, se dá em função do risco de mais intervenções do governo federal na economia, elevando o temor do investidor. E, segundo o economista e assessor de investimentos da Golden Investimentos, Thomas Giuberti, a tendência é que, no curto prazo, o dólar continue bastante valorizado em relação ao real.

“O que ocorreu nesta manhã é uma reação de curto prazo, mas, ainda assim, uma reação bem nervosa do mercado, que está precificando um aumento do risco-país devido à ingerência do governo na Petrobras. E, elevando o risco-país, inevitavelmente, nossa moeda desvaloriza.”

Ele observa, entretanto, que, até então, o dólar vem orbitando em torno de R$ 5,50 desde janeiro, e não deve ultrapassar em muito essa barreira. O especialista acredita, inclusive, que existe ainda chance de redução da moeda num futuro breve.

Isso porque o último boletim Focus, divulgado nesta segunda (22), projeto que a inflação deve fechar 2021 em alta de 3,82% – variação maior que os 3,62% projetados anteriormente. Essas elevações devem fazer com que o Banco Central precise subir as taxas de juros antes do previsto.

“Por enquanto, o apetite é de dólar mais forte e real desvalorizado, mas, se na próxima reunião do Copom, em 17 de março, o Banco Central de fato subir a taxa Selic, a tendência é que o dólar seja amenizado. Isto é, o cenário agora é um, mas, em pouco tempo, pode ser outro. Tudo depende dessas variáveis.”

Com informações de agências.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.