ASSINE

Responder mensagens de trabalho fora do horário configura hora extra?

No quadro Retrabalho, da Rádio CBN Vitória, os comentaristas Alberto Nemer e Cássio Moro abordaram o assunto e tiraram dúvidas dos ouvintes

Publicado em 20/05/2020 às 17h00
O grupo de elite da Polícia Civil no WhatsApp ficou com apenas 12 dos 40 integrantes originais
WhatsApp tem sido uma ferramenta de trabalho em meio à pandemia. Crédito: Reprodução

Um dos aplicativos mais baixados em lojas virtuais de dispositivos ao redor do mundo, o WhatsApp em meio à pandemia tem ganhado ainda mais importância no cotidiano das pessoas. Para melhor interação entre chefes e funcionários, uma vez que não é possível a presença de todos em um só ambiente, empresas criam grupos no aplicativo de mensagens. Como você lida com compromisso de responder as mensagens? Interage após o horário de trabalho?

Em entrevista ao jornalista Fábio Botacin, no quadro Retrabalho, da Rádio CBN Vitória, os comentaristas Alberto Nemer e Cássio Moro abordaram o assunto e tiraram dúvidas dos ouvintes.

Entre as variadas perguntas, os comentaristas concordaram que o WhatsApp é um "braço do ambiente de trabalho" e que é preciso manter a ordem, podendo até, em algumas situações, gerar demissão por justa causa, dependendo do que é enviado.

RESPONDER FORA DO HORÁRIO DE TRABALHO CONFIGURA HORA EXTRA?

"Estar no grupo não significa estar a disposição da empresa por 24h. O que se pode debater é a participação fora do horário de trabalho. É comum que chefe lembre de algo e envie, mas só será considerada hora extra se ele exigir uma resposta naquele momento", disse Alberto Nemer.

Os comentaristas concordaram que considerar como hora extra os momentos fora do horário de trabalho do empregado depende muito da forma de cobrança do chefe. Caso seja exigido uma resposta em um momento fora do horário determinado, o período pode ser considerado hora extra.

"Existem relações com subordinação ou não. Ele se assemelha ao home office, há questões, as pessoas devem se portar como trabalhadores. A questão da hora extra depende muito da cobrança do seu chefe. Nossa vida confunde muito o que é trabalho e atividade pessoal", completou Cássio Moro.

O CHEFE PODE DAR UM AVISO DE DEMISSÃO NO GRUPO?

Se antes da pandemia de coronavírus, quando os empregados conviviam presencialmente no mesmo ambiente, a demissão era algo que impactava o "clima" da empresa, a demissão em tempos de pandemia pode causar um stress ainda maior. Se o chefe optar pela demissão de um funcionário, seja por qualquer motivo, o aviso pode ser feito no grupo com outras pessoas?

"Entendo que se é um grupo de trabalho e o chefe fala em demissão, é uma exposição desnecessária. Se isso ocorrer, dependendo da forma, pode gerar danos morais para o empregado", detalhou Nemer.

Cássio Moro ainda afirma que é "ofensiva" a ação em meio aos outros funcionários. "Há uma cautela grande de se manter a própria honra e de seus funcionários", completou.

Home office: trabalho em casa
A pandemia impôs um novo formato de trabalho, o home office. Crédito: Janeb13/Pixabay

DEVO TER CUIDADO COM AS MENSAGENS ENVIADAS?

Segundo os comentaristas, por se assemelhar a um ambiente de trabalho, a comunicação deve ser a mais objetiva possível.

"A palavra é fria, não vem com emoção. A forma como o emissor manda não é a mesma que o receptor recebe. Isso pode gerar constrangimento, até um eventual assédio moral", disse Moro.

Alberto Nemer ainda disse que é preciso ser objetivo. "É um ponto que deve ter muito cuidado. Falar apenas o básico, ser mais objetivo. Evitar até a caixa alta porque podem achar que está xingando", disse.

PRECISO ENTRAR NO GRUPO DE MENSAGENS DA EMPRESA?

Segundo Cássio Moro, é importante que o chefe peça a atenção dos funcionários em relação ao grupo em determinado horário. Como já explicado anteriormente, considerar hora extra o tempo trabalhado fora do horário depende da demanda do trabalho.

"É importante que o empregador delimite um horário para que fiquem atentos aos assuntos de trabalho no grupo. Mas se a comunidade for para assuntos fora de trabalho, ele não precisa nem entrar", disse Moro.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Whatsapp Coronavírus Covid-19 cbn vitoria Mercado de trabalho Alberto Nemer Cássio Moro

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.