ASSINE

Prédio que desabou em Vila Velha era irregular, afirma Crea-ES

Segundo a instituição, imóvel foi erguido sem acompanhamento de profissionais de engenharia ou de empresas registradas. Desabamento ocorreu na madrugada desta quarta-feira (13)

Vitória
Publicado em 13/10/2021 às 18h25
Prefeitura trabalha na retirada dos escombros de prédio que caiu em Vila Velha
A Defesa Civil de Vila Velha afirmou que os escombros já foram retirados do local nesta quarta-feira (13). Crédito: Reprodução

prédio que desabou na madrugada desta quarta-feira (13) no bairro Ataíde, em Vila Velha, era uma construção irregular, segundo o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (Crea-ES). A instituição informou que o imóvel foi erguido sem o acompanhamento de profissionais de engenharia ou de empresas registradas na autarquia.

O Crea-ES afirmou, na tarde desta quarta-feira, que a construção estava edificada em um terreno frágil e sem nenhuma manutenção preventiva e periódica. Segundo o Conselho, a junção desses fatores contribuiu para que o prédio de dois andares desabasse.

O gerente de Fiscalização do Crea-ES, o engenheiro civil Leonardo Leal, esteve com uma equipe no local para realizar vistoria técnica e fiscal na estrutura do imóvel. Ele reiterou a importância da participação da população no sentido de denunciar obras e serviços de engenharia que estejam sendo executados de maneira irregular.

“O Crea-ES tem o canal Denúncia on-line, na página principal do site, uma ferramenta poderosae muito importante na prevenção de riscos e acidentes”, informou.

A queda do imóvel foi registrada em um vídeo por uma câmera de segurança. Segundo a Defesa Civil, o edifício não era habitado e não houve vítimas. Uma idosa, que mora na casa ao lado, foi orientada a deixar a residência e está provisoriamente na casa da filha.

Câmera de segurança flagra queda de prédio em Vila Velha

Acionada pela reportagem de A Gazeta, a Defesa Civil de Vila Velha informou que os entulhos foram retirados do local e o tráfego de pessoas e veículos foi liberado. Em nota, o órgão informou que está em alerta e monitorando os setores de risco geológico da cidade e os pontos de alagamento.

A Defesa Civil ainda informou que esteve no local, em 2018, quando elaborou Relatório de Vistoria e Notificação ao proprietário do imóvel para que o mesmo realizasse a demolição da construção irregular. A obra foi embargada para que não houvesse continuidade e a demolição ocorresse nas normas técnicas.

"Orientamos às pessoas que vivem em áreas de risco que, no primeiro sinal de movimento de massa deixem suas residências e acionem a Defesa Civil pelo 199 ou os Bombeiros pelo 193", finalizou a Defesa Civil.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.