ASSINE

Pai de jovem autista termina faculdade de Direito com o filho no ES

O técnico industrial Luís Felipe decidiu fazer o curso com o filho para apoiá-lo em 2016. Após cinco anos, eles terminaram a graduação neste mês

Publicado em 26/12/2020 às 13h53
Lucas e o pai Luís Felipe se formaram em Direito
Lucas e o pai Luís Felipe se formaram em Direito. Crédito: Acervo pessoal/Lucas Weberling

O ano era 2016 quando o o técnico industrial Luís Felipe tomou uma importante decisão: ele cursaria Direito junto com o filho Lucas, na época com 18 anos, diagnosticado com síndrome de Asperger - autismo de grau leve. Essa saga durou cinco anos e acabou neste mês, quando pai e filho concluíram o curso em uma faculdade da Grande Vitória.

O motivo que levou o pai para a sala junto com o ilho foi o histórico de preconceito em função do autismo e a preocupação de como seria a reação dele com a turma. Como a mãe já era formada na área, a missão foi incumbida ao pai, hoje com 46 anos.

Luís Felipe

Técnico industrial e pai de Lucas

"No primeiro dia de aula, eu estava tremendo. Estava muito ansioso para saber como seriam as coisas, como lidar com isso. Era tudo muito novo para todo mundo. No início foi muito difícil. "

Lucas Weberling, hoje com 23 anos, é o mais velho de três irmãos e foi diagnosticado com autismo aos 12 anos. Na época, a família já começou um tratamento para melhorar a coordenação motora dele e problemas com socialização.

Mesmo assim, o autismo fez com que Lucas sofresse preconceito e bullying na escola. Foi apenas no Ensino Médio que ele começou a ser aceito pelos colegas.

O pai Luís Felipe estudou ao lado do filho na faculdade
Lucas e o pai Luís Felipe se formaram em Direito. Crédito: Reprodução/ TV Gazeta

Logo no primeiro dia de aula, durante a apresentação para os novos colegas, Lucas contou que era autista e disse que não enxergava a condição como um fator de limitação.

“A professora chamou todo mundo na frente da sala para se apresentar e eu falei o meu nome, disse que era autista, decidi fazer o curso de direito e que contava com a ajuda de todos. A ajuda é fundamental e não digo só para um autista. Com a ajuda, a gente enfrenta um obstáculo que parece grande ser pequeno”, declarou.

ACOMPANHAMENTO FOI FUNDAMENTAL

A ação dos pais de o acompanharem é avaliada por Lucas como fundamental para ele mesmo acreditar que conseguiria concluir a faculdade. E concluiu. Neste mês de dezembro, filho e pai terminaram a graduação. A colação de grau acontecerá em fevereiro de 2021.

“Não existe uma barreira que ele [o autista] não pode alcançar. Se ajudarem e tiverem alguém para acreditar nele, ele pode mudar o mundo. Sinceramente, eu acho que é isso que o mundo está precisando: de mais pessoas como nós. De pessoas que acreditam nas pessoas, que fazem acreditar que o mundo, apesar de ser gigante, se torna pequeno pelo tanto de pessoas que vão te ajudando ao longo da vida. Se você tiver isso, acho que consegue tudo”, revelou.

Ao olhar para a trajetória que traçou ao longo da faculdade e relação com colegas e professores, Lucas declarou: “A gente evolui como pessoa e como sociedade através da convivência e inclusão”.

Com informações da TV Gazeta e de Luiza Marcondes, do G1 ES

A Gazeta integra o

Saiba mais
Direito autismo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.