ASSINE

Nuvem de poeira que atingiu São Paulo e Minas pode ocorrer no ES?

Em Ribeirão Perto (SP), ventos ultrapassaram 90 km/h e chamaram a atenção de moradores. Meteorologista explica causas e esclarece se há possibilidade de fenômeno atingir o ES

Vitória
Publicado em 27/09/2021 às 18h39
Nuvem de poeira cobre Ribeirão Preto antes de chuva volumosa no domingo (26)
Nuvem de poeira cobriu Ribeirão Preto (SP) antes de chuva volumosa no domingo (26). Crédito: Thaísa Vilas Boas

Uma nuvem de poeira gigante se formou em cidades do interior de São Paulo e em Minas Gerais no último domingo (26) e acendeu um alerta para os capixabas: o fenômeno pode atingir o Espírito Santo? Segundo meteorologista do Instituto Climatempo, o que causou o evento nos Estados vizinhos foi a combinação de diversos fatores, entre eles o solo muito seco, já que não chovia há mais de 100 dias no Norte do território paulista.

"Um corredor de umidade proveniente da região Amazônica também influenciou na formação do fenômeno", explica Dóris Palma, meteorologista do Climatempo. Outro fator decisivo para que a nuvem de poeira se formasse foi a combinação do corredor de umidade. Com isso, o calor da região favoreceu a formação de nuvens de tempestades e ocasionou a chamada ''frente de rajada'', responsável pelos ventos acima de 90 km/h registrados em Ribeirão Preto (SP), por exemplo.

Tempestade de areia atinge interior de São Paulo e transforma o dia em noite

"Os ventos intensos que antecederam a chuva literalmente levantaram toda a poeira/areia do solo (seco, até então), por isso formou-se essa densa camada de poeira. Logo em seguida, a nuvem de chuva avançou pela região, gerando esse aspecto tão escurecido", acrescentou a meteorologista.

Questionada se há possibilidade de o fenômeno atingir o Espírito Santo, Dóris Palma alivia os capixabas. "Logo após a formação dessa tempestade de poeira mais de 50 mm de chuva caíram sobre a região, dissipando a poeira e literalmente ''lavando'' a atmosfera. Então, não há possibilidade de ocorrer no Estado capixaba", informou a especialista.

FENÔMENO É RECORRENTE NO BRASIL?

A tempestade de poeira, segundo a meteorologista, é feita de nuvens formadas por gotículas de água, pedras de gelo, entre outros — e a poeira foi "levantada" pelas fortes rajadas de vento que antecederam a chegada da nuvem de tempestade. O fenômeno, no entanto, não é comum de acontecer no Brasil, mas o Instituto Climatempo afirma que existem relatos em pontos isolados do país de tempos em tempos.

Dóris Palma

Meteorologista do Instituto Climatempo

"Normalmente (não é uma regra), acontecem durante períodos de transição da estação seca para a úmida, como estamos agora. Isso porque é necessário um solo muito seco e arenoso para que toda essa poeira seja levantada"

A meteorologista explica ainda que, além disso, para que o fenômeno se forme, também é preciso que haja muita instabilidade no tempo da região — comum no início da primavera, quando a chuva ainda está se regularizando, mas vem na forma de tempestades.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.