ASSINE

Morre bezerra que nasceu com duas cabeças em Nova Venécia

Filhote havia nascido na madrugada desta terça-feira (14) no Sítio Busatto, na localidade de Córrego Massada, e era a terceira cria da vaca Crioula. Caso é raro, afirmou veterinário

Tempo de leitura: 2min
Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 14/12/2021 às 20h25

Um caso inusitado que teve um triste fim: morreu, no início da noite desta terça-feira (14), a bezerra que nasceu com duas cabeças do Sítio Busatto, na localidade de Córrego Massada, em Nova Venécia, no Noroeste do Espírito Santo. A filhote havia nascido na madrugada e era a terceira cria da vaca Crioula. Veja vídeo do animal logo após o nascimento:

O fato foi confirmado pelo produtor rural Delci Busatto, de 22 anos, que contou que o animal seria amamentado por mamadeira. “Logo que cheguei ao local, já encontrei (o animal) morto”, disse.

No momento do nascimento, o jovem se assustou ao chegar perto, pois pensou se tratar de gêmeos, mas ao ver as duas cabeças se mexendo em um só corpo, ele percebeu que se tratava de algo incomum.

O repórter Murilo Cuzzuol, de A Gazeta, entrevistou o médico veterinário, mestre em ciência animal e coordenador do curso no Centro Universitário do Espírito Santo (Unesc) de Colatina, Luiz Alexandre Moscon, sobre o assunto. O especialista explicou que nascimentos de animais com má formação não chegam a ser incomuns, mas o que foi presenciado na propriedade no interior do município, de fato, é.

Nova Venécia
Bezerrinha com duas cabeças nasceu em uma propriedade no interior de Nova Venécia. Na veterinária, casos do tipo são raros. Crédito: Delci Busatto

"Um caso como este podemos classificar como extremamente raro. São poucas situações do tipo relatadas e registradas, é muito raro nascer com esta formação. Na Veterinária é o que chamamos de 'diprosopia', que se apresenta como uma anomalia congênita em que a região encefálica (crânio) e as estruturas faciais se apresentam em duplicidade (duas cabeças)", detalha o mestre na área.

O caso de Nova Venécia é ainda mais difícil de ocorrer porque a gestação foi oriunda por métodos naturais e não por inseminação, onde as possibilidades de anormalidade são relativamente maiores.

Devido à anomalia, o veterinário já havia explicado que a bezerrinha teria poucas chances de sobreviver, principalmente pela dificuldade de adaptação.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo Meio Ambiente Mundo Animal espírito santo ES Norte

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.