ASSINE

Governo do ES suspende vacinação para grávidas com a Astrazeneca

Medida foi adotada após  recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) feita nesta segunda-feira (10), indicando que deve ser seguido o que está prescrito na bula do imunizante

Publicado em 11/05/2021 às 11h35
Vacina de Oxford
A vacina de Oxford/AstraZeneca. Crédito: Carlos Alberto Silva

A vacinação em grávidas com o imunizante da Astrazeneca foi suspensa em todos os municípios do Espírito Santo. A decisão é da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), após a recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) feita nesta segunda-feira (10).

Segundo o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, diante deste cenário de suspensão, junto ao incremento de doses da Pfizer/BioNTech na Campanha de Vacinação e o recebimento de mais de 23 mil doses nessa segunda-feira (10), o Governo decide pela organização da vacinação macrorregional das gestantes capixabas que ainda não foram vacinadas com imunizantes da Pfizer.

“Estamos organizando, junto aos municípios, como se dará a operacionalização e aplicação da vacina da Pfizer em gestantes que ainda não receberam imunizante”, informou.

Em um vídeo publicado no youtube, o secretário orientou que as grávidas que receberam a primeira dose da Astrazeneca, devem observar a ocorrência de eventos adversos pós-vacinais, e tendo quaisquer sintomas, procurar um serviço de saúde. “No entanto, o Estado não registrou nenhum evento adverso grave com a vacina da Astrazeneca em gestantes”, garantiu.

Confira o vídeo na íntegra: 

ANVISA 

Na noite de segunda-feira (10, a  Anvisa emitiu nota recomendando a suspensão imediata do uso da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Astrazeneca em parceria com a Universidade de Oxford em gestantes. No Brasil, o imunizante é produzido pela Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz). 

De acordo com a agência reguladora, a orientação é resultado do monitoramento de efeitos adversos da vacina. "A orientação da Anvisa é que a indicação da bula da vacina AstraZeneca seja seguida pelo Programa Nacional de Imunização (PNI)", diz a nota enviada à imprensa. A atual bula do imunizante não recomenda a aplicação em grávidas sem orientação médica individual.

MORTE DE GESTANTE

O Ministério da Saúde afirma que investiga o caso de uma gestante que morreu no Rio de Janeiro após ter sido imunizada com a vacina Astrazeneca. Em nota enviada à coluna Painel, da Folha de S.Paulo, a pasta ainda diz que "reavalia a imunização no grupo de gestantes sem comorbidades." 

A reportagem questionou o ministério comandado por Marcelo Queiroga a respeito do tema na tarde desta segunda-feira (10). A reportagem perguntou à pasta sobre dois casos de mortes de gestantes que foram relatados por estados, um na Bahia e um no Rio. O ministério respondeu confirmando apenas a investigação de um deles.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Coronavírus no ES Vacinas contra a Covid-19

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.