ASSINE

"Ela entrou em desespero", diz tio sobre avó que morreu após perda do neto

O empresário Eduardo Pissinati falou sobre o sobrinho Felipe, morto em um acidente, e da relação próxima que a mãe dele tinha com o neto, que ajudou a criar

Publicado em 22/09/2020 às 11h44
O empresário Eduardo Pissinati, tio do jovem Felipe, morto em um acidente de moto,  e filho de Maria da Penha, que morreu após saber da morte do neto
O empresário Eduardo Pissinati, tio do jovem Felipe, morto em um acidente de moto, e filho de Maria da Penha, que morreu após saber da morte do neto. Crédito: Reprodução / TV Gazeta

"Não é que gostava, ela amava o Felipe. Ela entrou em desespero". Esse é o relato do empresário Eduardo Pissinati, tio de Felipe Chieppe Pissinati, morto em um acidente de trânsito, em Vila Velha, nesta segunda-feira (22), e filho de Maria da Penha Pissinati, de 73 anos, que morreu após receber a notícia da morte do neto. Ele conversou com repórteres na noite desta segunda, dia em que a família viveu esta grande tragédia.

Eduardo falou sobre o sobrinho Felipe, sobre a mãe Maria da Penha e da relação próxima entre os dois. Além disso, comentou sobre a juventude empreendedora e os sonhos de Felipe, que estava iniciando a carreira de comerciante, montando a própria hamburgueria.

Maria da Penha Pissinatti, 73 anos, morreu após saber do acidente que tirou a vida do neto
Maria da Penha Pissinatti, 73 anos, morreu após saber do acidente que tirou a vida do neto. Crédito: Arquivo de família

Como a família está com essas duas mortes no mesmo dia?

A família está arrasada, bem triste, porque ninguém espera. A imprudência de um motorista em fazer uma conversão irregular, acabou que atropelou e passou por cima. Um garoto novo, de 21 anos, começando a carreira dele como empresário e comerciante e, infelizmente, acontece essa fatalidade.

Como a avó acabou morrendo também?

A minha mãe, assim que ficou sabendo da notícia do neto, começou a passar mal, entrou em desespero. Ela já vinha com problema de coração. Ela chegou infartada no hospital. Os médicos tentaram reanimar ela, fizeram todos os procedimentos possíveis, mas, infelizmente, não aguentou, não resistiu.

Como está para tentar entender isso tudo para você?

Não tem nem o que entender, né. É uma fatalidade que ocorreu. O que a gente pede é que Deus conforte os nossos corações. É deixar as lembranças boas e seguir em frente.

Você disse que a avó vinha tendo problema de coração, mas ela não estava doente?

Ela (a avó) não estava doente. Estava bem. O que causou mesmo (a morte dela) foi essa notícia do falecimento do neto.

Eles eram apegados?

Sim. Ele morava lá, ela ajudou a criar o Felipe. Não é que gostava, ela amava o Felipe. Eles eram bem próximos, ele estava lá todo dia. Por mais que não morasse mais lá, ele estava lá todo dia.

Como que era o Felipe? Tinha sonhos? Ele tinha acabado de abrir o próprio negócio?

Ontem (domingo) mesmo ele tinha ido entregar um lanche para mim. Nós conversamos, ele estava indo até tarde para juntar um valor e expandir a firma dele. O sonho dele era crescer, expandir o comércio dele, ter a independência financeira dele.

O ACIDENTE

De acordo com informações da TV Gazeta, o acidente que vitimou o jovem aconteceu no cruzamento da Avenida Perimetral com a Rua Hélio Silva de Brito, em Coqueiral de Itaparica, próximo ao Ginásio do Tartarugão. Felipe, que era comerciante, estava em uma moto e, no cruzamento entre as vias, ele se chocou contra um carro. O Samu foi chamado para atendimento, mas Felipe não resistiu. Segundo a Polícia Militar, a motocicleta colidiu com um veículo de passeio quando o condutor do carro realizava uma conversão proibida.

GUARDA, PM e PC

A Guarda Municipal de Vila Velha informou, por nota, que “depois de ser informada por populares sobre o acidente, deu o primeiro apoio na ocorrência, em Coqueiral de Itaparica, que resultou na morte de um motociclista. Ao chegar no local, sinalizou a via e identificou os envolvidos. O Samu já estava no local para o socorro das vítimas. Logo depois, o BPTran da Polícia Militar assumiu a ocorrência”.

Por meio de nota, a Polícia Militar informou que o motorista do carro de passeio fazia uma conversão proibida no momento da batida. Veja a nota na íntegra.

"De acordo com o boletim, na tarde desta última segunda-feira (21), uma motocicleta colidiu com um veículo de passeio quando o condutor do carro realizava uma conversão proibida, no bairro Coqueiral de Itaparica. O Samu chegou a ser acionada para o socorro, porém o motociclista teve o óbito confirmado no local do fato. O motorista não sofreu ferimentos graves e não precisou de atendimento médico. Ele fez o teste do bafômetro, que deu negativo para o consumo de álcool, e foi conduzido à Delegacia Regional de Vila Velha para esclarecimentos", finaliza.

A Polícia Civil informou que o motorista do veículo foi ouvido e liberado, por ter permanecido no local e não haver indícios de cometimento de crime que justificasse a prisão em flagrante. Veja a nota na íntegra.

"A Polícia Civil informa que o motorista do veículo foi encaminhado para a Delegacia Regional de Vila Velha, onde foi ouvido e liberado conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro, uma vez que ele permaneceu no local do acidente e não havia indícios de cometimento de crime que justificasse prisão em flagrante. O caso seguirá sob investigação na Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito. O corpo da vítima foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, para ser identificado e para ser feito o exame cadavérico", finaliza. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.