ASSINE

Criança de 1 ano prende pescoço em argola e Bombeiros são acionados no ES

A menina colocava o círculo na cabeça e se divertia, mas, por ser um brinquedo relativamente pequeno, ninguém desconfiou que a argola pudesse ficar presa ao pescoço dela. A criança foi resgatada e passa bem

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 06/05/2021 às 19h33
Em Itaparica
Pequena Antonella é resgatada pelos bombeiros em Vila Velha. Crédito: Divulgação | Corpo de Bombeiros

A pequena Antonella, de apenas 1 ano e 5 meses, ficou com o pescoço preso em uma argola de plástico dentro da brinquedoteca do prédio onde mora, no bairro Itaparica, Vila Velha, na manhã desta quinta-feira (6). A babá que acompanhava a criança entrou em desespero quando percebeu que não conseguia retirar o objeto e levou a menina até a mãe, que está em estágio avançado de gravidez, na 39ª semana. Assustada, a estilista Larissa Lorenzutti, de 36 anos, acionou o Corpo de Bombeiros. Veja vídeo:

A mãe da criança contou que a argola com a qual ela brincava fazia parte de um jogo da velha, com objetos em formato de "X" e outros em formato de círculo, todos feitos em plástico grosso. A menina colocava o círculo na cabeça e se divertia, mas, por ser um brinquedo relativamente pequeno, ninguém desconfiou do potencial de que pudesse ficar preso ao pescoço dela.

Segundo Larissa, quando a babá viu que Antonella conseguiu encaixar a cabeça, tentou tirar o objeto e ele não saía mais. "Subestimamos a criança. Não sabemos bem qual ângulo ela conseguiu encaixar, se usou alguma força. A moça que cuida dela se desesperou, correu, chorando e preocupada. E eu, grávida, tomei um susto, mas logo pensei que não era tão grave, já que ela estava respirando. Me acalmei porque o objeto não tampava a respiração dela", narrou.

Larissa Lorenzutti

Mãe de Antonella

"Tentei tirar e não consegui. Passei até azeite nela, por dentro da argola e na cabeça. Ela ficou toda melequenta. Mas o objeto fazia atrito na testa e deixava até meio roxo no local. Era questão de milímetros para conseguir sair. Então finalmente liguei para uma amiga dos Bombeiros, já achando que ia precisar serrar. Uma equipe veio e foi muito atenciosa. Ela chorava, porque eram estranhos tentando mexer nela, mas tiveram muito jeito e conseguiram tirar sem precisar cortar"

O RESGATE

Do acionamento até a chegada dos três bombeiros passaram cerca de 20 minutos e, para o procedimento de resgate, foram necessários menos de 10 minutos. "Foi um alívio, glória a Deus. Principalmente por não ter precisado serrar o objeto, o que teria assustado Antonella ainda mais. Eles tentaram encontrar uma maneira que assustasse menos, com muito jeito para não deixá-la ansiosa. O trabalho deles foi sensacional, sentimos muita gratidão, foram maravilhosos", contou Larissa.

Em Itaparica
Bombeiros retiram argola presa em pescoço de criança de 1 ano. Crédito: Divulgação | Corpo de Bombeiros

Segundo a tenente Andresa Silva, do Corpo de Bombeiros, para o procedimento foi necessário mexer na angulação do objeto, com bastante calma. "O sargento Aquino, da viatura de salvamento de Vila Velha, conseguiu retirar a argola sem pressionar. É muito gratificante ver que deu tudo certo, a criança estava agoniada, sofrendo, ela já estava irritada e chorosa", relatou.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.