ASSINE

Covid-19: Sesa vai apurar funeral de padre com caixão aberto no ES

Cerimônias para Fernando Antônio Silva de Souza ocorreram nesta semana; Arquidiocese de Vitória afirmou que ele não tinha mais o coronavírus

Publicado em 22/06/2021 às 20h12
Atualizado em 23/06/2021 às 10h18
Padres se despedem do padre Fernando durante pequena cerimônia em Viana
Padres se despediram do padre Fernando durante cerimônia em Viana . Crédito: Reprodução do Instagram

A Secretaria de Saúde do Espírito Santo (Sesa) vai verificar as condições de saúde do padre Fernando Antônio Silva de Souza para emitir um parecer sobre as cerimônias fúnebres realizadas nesta semana, em igrejas da Grande Vitória, com o caixão aberto. O religioso morreu em decorrência da Covid-19.

Em nota, foram destacadas medidas previstas em uma portaria publicada em março do ano passado. "Os funerais de pessoas vítimas da Covid-19 devem ser realizados com o menor número de pessoas possível para evitar a transmissão da doença. Devem ser evitados contatos físicos entre os participantes do funeral."

A Sesa também recomendou que todas as pessoas que participaram das cerimônias fúnebres do padre realizem teste do tipo RT-PCR a partir de 72 horas do evento para detectar ou descartar a presença do novo coronavírus. A pasta ainda ressaltou que pessoas do grupo de risco não deveriam participar de velórios.

Atualmente em vigor, a nota técnica nº 50 de 2020 traz uma série de recomendações, entre as quais:

  • O corpo deve ser acomodado pelo serviço funerário em urna a ser lacrada antes da entrega aos familiares ou responsáveis;
  • Durante o sepultamento manter a urna funerária fechada, evitando qualquer contato (toque ou beijo) com o corpo do falecido em qualquer momento post-mortem;
  • A cerimônia de sepultamento não deve contar com aglomerado de pessoas, respeitando a distância mínima de, pelo menos, um metro e meio entre elas.

Em imagens divulgadas pela Arquidiocese de Vitória é possível ver o caixão aberto, dezenas de padres na entrada da Paróquia de Jucutuquara e um velório na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Viana, sem distanciamento social. Ambos os momentos foram comandados pelo arcebispo Dom Dario Campos, de 73 anos.

Pelas redes sociais, a Arquidiocese afirmou que após 20 dias "não existe mais perigo de contágio" e que "os médicos que acompanham a evolução da doença podem emitir uma autorização para que o velório seja feito com o caixão aberto". O que teria sido feito no caso do padre Fernando Antônio Silva de Souza.

Na nota publicada nas redes sociais, a Arquidiocese de Vitória afirma que a permissão dada pelo serviço de saúde se deu porque o paciente teria começado a apresentar os sintomas da Covid-19 no dia 31 de maio. "As informações sobre o laudo são da Dra. Juliana Cosme, médica plantonista da UTI do Hospital Santa Rita" que afirmara que "o paciente já estava fora do isolamento por ocasião da morte".

Por sua vez, a médica Juliana Cosme disse que seguiu o que determina o Ministério da Saúde e que o padre não estava mais em período de transmissão da doença quando veio a óbito. O Hospital Santa Rita não informa se foi feito um exame para saber se Fernando Antônio Silva de Souza estava, ou não, com o novo coronavírus.

Atualização

23 de Junho de 2021 às 10:12

Anteriormente a matéria incorporava o post com as fotos do velório diretamente do Instagram da Arquidiocese de Vitória. Com a remoção da imagens por parte da Arquidiocese, a incorporação foi retirada.  

A Gazeta integra o

Saiba mais
Viana Vitória (ES) SESA Coronavírus Coronavírus no ES Covid-19 viana Catedral de Vitória Pandemia Arquidiocese de Vitória

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.